09:11 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (13) que a criação de seu novo partido, o Aliança pelo Brasil, é "difícil", e revelou possibilidade de ir para outras legendas, entre elas o PSL. 

    Bolsonaro se filiou ao PSL em 2018 para disputar as eleições. Após uma briga com o presidente nacional da sigla, o deputado Luciano Bivar, ele e um grupo de políticos saíram da sigla. Sua intenção era criar o Aliança pelo Brasil a tempo de disputar as eleições municipais deste ano, mas o partido ainda não conseguiu reunir assinaturas suficientes para registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). 

    "Eu recebi outros convites. Três partidos me convidaram para conversar. Um foi o [PTB, de] Roberto Jefferson. Tem mais dois partidos também. Já conversei com os presidentes desses dois outros partidos. Tem uma quarta hipótese, aí né, o PSL também, alguns sinalizaram. É sinalização apenas de uma reconciliação. A gente bota as condições na mesa de reconciliar, eles botam de lá para cá também", disse em live transmitida por suas redes sociais. 

    'Tenho que olhar outros partidos'

    Sobre a criação da Aliança pelo Brasil, Bolsonaro comentou sobre a dificuldade de registrar um novo partido. 

    "É difícil formar um partido, não é impossível, mas é difícil. Uma burocracia enorme. A pandemia atrasou. Passa na ponta da linha pelo TSE e a gente sabe como é o comportamento de alguns ministros no tocante a novos partidos. Então eu não posso investir 100% no Aliança, o que pese o esforço de muita gente pelo Brasil. Eu tenho que olhar outros partidos", declarou.

    Sobre um possível retorno ao PSL, disse que não existia um "partido nota dez" e que o importante era ser uma legenda "nota oito, nota nove". Além disso, Bolsonaro afirmou que existem parlamentares da sigla que conversam com ele, mas com outros o diálogo seria "impossível".

    "Vou conversar com o pessoal do PSL, que apesar de eu ter saído, tem ali uns 43, 44 parlamentares que conversam comigo. Tem uns oito ali que não dá para conversar tendo em vista o nível para onde conduziu a política, entrando na questão pessoal, atacam pessoalmente", disse. 

    Bolsonaro também afirmou que, caso retorne ao seu antigo partido, ele teria que justificar aos seus apoiadores o "por que da volta". 

    Deputados do PSL ironizam declaração

    Logo após a transmissão da live do presidente, parlamentares do PSL comentaram sobre as declarações de Bolsonaro. O deputado federal Junior Bozella disse, por meio do Twitter, que o partido não aceitaria o presidente de volta. 

    ​A deputada Joice Hasselman, ex-líder do governo no Congresso, por sua vez, afirmou que o PSL não havia pedido a volta de Bolsonaro, que, segundo ela, "enviou emissários" para conversar com a legenda devido às dificuldades com o Aliança. 

    Mais:

    Sob Bolsonaro, Record e SBT passam a ganhar mais publicidade federal que Globo
    PSL quer que Flávio Bolsonaro devolva R$ 500 mil e acusa senador de 'desvio de finalidade'
    Aliança Pelo Brasil: qual é o rumo de Bolsonaro e seu novo partido
    Tags:
    Luciano Bivar, política, presidente, aliança, TSE, deputados, partidos, eleições, Jair Bolsonaro, PSL
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar