05:54 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    245
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro garantiu nesta quarta-feira (12) que a responsabilidade fiscal e o cumprimento da emenda constitucional, que impõe um teto para os gastos públicos, são o "norte" do governo, um dia após duas baixas importantes no Ministério da Economia.

    "O Estado está inchado e deve se livrar de suas empresas deficitárias, bem como daquelas que podem ser melhor administradas pela iniciativa privada", escreveu o presidente nas redes sociais, reiterando seu compromisso com a agenda de privatizações.

    "Em um orçamento cada vez mais curto é normal que os ministros busquem recursos para obras essenciais. Porém, nosso norte continua sendo a responsabilidade fiscal e o teto de despesas", acrescentou.

    Sua mensagem na rede social Facebook chegou depois que, na noite de terça-feira (11), o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que houve uma "debandada" de funcionários da sua pasta, devido às dificuldades para avançar nas privatizações e à intenção de outros ministros para aumentar os investimentos públicos.

    Os secretários especiais de Desestatização, Desinvestimentos e Mercados, Salim Mattar, da Burocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, e o diretor do programa de burocratização, José Ziebarth, escolheram deixar o Ministério da Economia.

    Bolsonaro destacou nesta quarta-feira (12), sem mencionar nenhum caso específico, que é "normal" alguém querer deixar o governo por algo "que melhor satisfaça suas justas ambições pessoais".

    Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala durante solenidade no Palácio do Planalto
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    Ministro da Economia, Paulo Guedes, fala durante solenidade no Palácio do Planalto

    A emenda constitucional que estabelece limite máximo para o aumento dos gastos públicos foi promulgada em 2016 e tem validade de 20 anos. Ela estabelece que as despesas da União, incluindo os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, não podem crescer acima da inflação do ano anterior.

    Setores políticos do governo e do Congresso Nacional defendem a modificação do arcabouço legal, argumentando que o aumento dos gastos é necessário para reativar a economia. O vice-presidente Hamilton Mourão alertou que a situação fiscal do Brasil está "péssima" e reforçou que o teto de gastos é a "âncora fiscal" do país sul-americano.

    Mais:

    Guedes defende privatizações comparando estatais com 'filhos drogados'
    Governo brasileiro quer lucrar R$ 150 bi com privatizações em 2020
    Ministro: alerta inadimplentes e defende privatizações no setor de saneamento
    Crise pós-pandemia pode facilitar onda de privatizações no Brasil?
    Tags:
    política, política fiscal, equilíbrio fiscal, privatizações, Ministério da Economia do Brasil, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar