06:02 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (49)
    445
    Nos siga no

    O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, disse nesta quarta-feira (5) que 15,2 milhões de brasileiros podem ser vacinados contra a COVID-19 até dezembro. 

    A declaração foi feita em audiência pública virtual da Câmara dos Deputados para discutir a produção de uma vacina para a doença. A vacina em questão está sendo desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e a Universidade de Oxford, no Reino Unido. Parte dos testes da substância é realizado em voluntários no Brasil.

    "Com a graça de Deus e com o avanço da ciência, acreditamos que, em dezembro, talvez já passemos o ano novo de 2021 com pelo menos 15.200.000 de brasileiros vacinados para a COVID-19", afirmou Medeiros, segundo o portal UOL. 

    O funcionário do ministério informou ainda que, após o recebimento das vacinas pelo governo federal, a distribuição para as Unidades Básicas de Saúde do SUS devem ser concluídas em até 15 e 20 dias. Na prática, isso quer dizer que a aplicação da vacina ainda neste ano é algo improvável de ocorrer, e Medeiros admitiu que era difícil falar em datas precisas. 

    "Na data de hoje, nos parece muito precoce falarmos exatamente da data em que haverá essa vacinação. Mas a capilaridade de distribuição do nosso SUS é histórica no nosso país" disse o secretário.

    Controle de qualidade 'leva tempo'

    Por outro lado, o diretor do Instituto Bio-Manguinhos da Fiocruz, Maurício Zuma, disse que o primeiro lote da vacina deve ser distribuído somente a partir de janeiro de 2021, em função do tempo para realizar o controle de qualidade do medicamento, o que, segundo ele, "leva tempo". 

    "Levando em consideração que a gente vai começar a produção dessas 15.000.000 [de doses] em dezembro e o tempo de controle de qualidade, a gente acredita que comece a liberar as vacinas a partir de janeiro. As outras 15.000.000 que serão produzidas em janeiro, deverão ser liberadas a partir de fevereiro. Obviamente que vai depender de a vacina estar registrada para que possa ser usada", afirmou Zuma. 

    O governo federal comprará 100.000.000 de doses da AstraZeneca em pelo menos três parcelas de entrega. A primeira será a de 15.200.000 de doses e que o secretário espera aplicar no país até dezembro. O segundo lote, com 15.000.000, será entregue em janeiro de 2021. As doses restantes ainda não têm cronograma definido. 

    Transferência de tecnologia

    O governo brasileiro negocia também acordo para transferência de tecnologia da vacina e início da fabricação no Brasil, o que só deve ocorrer no primeiro trimestre do ano que vem. Após essa etapa ser concluída, o Instituto Bio-Manguinhos estima que produzirá 40.000.000 de doses da vacina contra a COVID-19 por mês. 

    ​Durante a audiência, o ex-ministro da Saúde e deputado Alexandre Padilha (PT-SP) criticou o anúncio de datas para a vacinação. 

    "A vacina gera muita esperança e temos que tomar muito cuidado com a esperança do povo brasileiro.  É uma irresponsabilidade falar em datas que a gente não venha a sustentar. A credibilidade que a Fiocruz tem foi construída ao longo de anos. Anunciar vacinação no Réveillon é irresponsabilidade", afirmou ele, segundo o jornal O Globo.

    Tema:
    Brasil na pandemia de coronavírus no início de agosto (49)

    Mais:

    Rússia analisa produção de vacina contra COVID-19 no Brasil
    Vacina russa contra COVID-19 mostra 'resposta imunológica inequívoca' em todos os voluntários
    Cientistas do Japão desenvolvem vacina para COVID-19 com bichos-da-seda
    Tags:
    Reino Unido, Fiocruz, laboratório, Universidade de Oxford, Brasil, Ministério da Saúde, vacina, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar