08:17 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    121042
    Nos siga no

    O embaixador norte-americano no Brasil, Todd Chapman, afirma que as empresas poderão rejeitar investimento no Brasil, porque a propriedade intelectual pode não estar protegida em rede da empresa chinesa.

    O Brasil poderá sofrer "consequências" econômicas negativas se manter a gigante tecnológica Huawei no leilão da rede 5G, avisa o embaixador dos EUA no Brasil, Todd Chapman.

    "Eu diria que represálias não, consequências sim", afirmou o diplomata norte-americano em entrevista ao jornal O Globo.

    "Cada país é responsável por suas decisões. As consequências que estamos vendo no mundo é que há um receio de empresas que estão baseadas na propriedade intelectual de fazer investimentos em países onde essa propriedade intelectual não seja protegida."

    Segundo refere o diplomata, países como Austrália, Japão e Reino Unido, o último dos quais planeja remover completamente a Huawei da rede de telecomunicações até 2027, já abandonaram seus planos "por questão de segurança".

    Esta não é a primeira vez que Washington adverte Brasília por permitir a participação da Huawei na construção da rede 5G brasileira. Anteriormente, em janeiro, Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, retrucou em resposta à pressão dos EUA que o próprio Brasil decidiria que empresa escolher para levar avante o processo.

    A empresa chinesa é acusada por governos ocidentais, principalmente pelos EUA, de ser uma arma de espionagem da China, algo que Pequim rejeitou repetidamente.

    É planejado que o leilão de atribuição do construtor da rede 5G no Brasil seja realizado em 2021.

    Mais:

    Think tank: EUA começam a perder influência na América Latina para China
    Bairros nobres de Rio e SP recebem tecnologia 5G em meio à polêmica internacional com Huawei
    Brasil sonha com 5G em meio a preocupações com soberania e serviços problemáticos
    Brasil First? Especialista elogia postura do ministro Marcos Pontes sobre o 5G
    5G: antes China do que EUA, mas Brasil deve investir em pesquisas, diz analista
    Tags:
    Reino Unido, Japão, Austrália, Jornal O Globo, O Globo, 5G, EUA, Brasil, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar