03:37 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    180
    Nos siga no

    A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu na manhã desta quarta-feira (29) o estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck, por suspeita de esquema criminoso de tráfico de animais.

    Pedro Krambeck, de 22 anos, que foi picado por uma naja no dia 7 de julho, foi detido temporariamente por um período de cinco dias, podendo ter o prazo prorrogado. Segundo a Polícia Civil, há indícios de que ele também estaria tentando atrapalhar a investigação.

    Conforme o portal G1, a medida faz parte da quarta fase da Operação Snake, que investiga um esquema de tráfico de animais.

    As investigações indicam que o suspeito tinha criado a naja em casa e teria ainda outras 16 cobras exóticas, sem autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que já o multou no valor de R$ 81,3 mil.

    No dia 13 de julho, Pedro recebeu alta do hospital após ter ficado em coma por seis dias devido à picada e apresentando em seguida um atestado médico declarando que só prestaria depoimento em agosto.

    Pedro foi detido na própria residência, no Guará (DF), pela equipe da 14ª Delegacia de Polícia (Gama), responsável pelas investigações. A Polícia Civil afirma que um perito médico-legista acompanhou o cumprimento do mandado de prisão para verificar as condições de saúde do jovem.

    Gabriel Ribeiro de Moura, de 24 anos, amigo do universitário, também foi detido no dia 22 de julho, por suposta tentativa de ocultar provas de crimes, sendo apontado como o responsável por esconder serpentes do colega.

    Mais:

    Tráfico internacional de animais silvestres: muito além da 'naja de Brasília' (FOTOS)
    Estudante picado por naja é investigado no Distrito Federal
    Tráfico de animais no Brasil abastece mercado interno e aproveita falhas na lei, diz ambientalista
    Tags:
    prisão, Brasília, Polícia Civil, Distrito Federal, tráfico, cobras, naja, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar