09:58 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1162
    Nos siga no

    Dois dos maiores partidos políticos do Brasil e que até agora faziam parte da base parlamentar de apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e os Democratas (DEM), anunciaram sua saída do grupo nesta segunda-feira (27).

    Os líderes da Câmara dos Deputados do MDB, Baleia Rossi (SP), e do DEM, Efraim Filho (PB), afirmaram que seus partidos deixaram o chamado Centrão, um grupo composto por nove formações políticas e o principal apoio do governo na Câmara Baixa do Congresso Nacional.

    Os partidos do Centrão têm 221 cadeiras das 513 na Câmara dos Deputados. Entre o DEM e o MDB, existem 63 deputados. A sucessão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no início de 2021, é intuída como o motivo do rompimento.

    O líder do Centrão, Arthur Lira (PP-AL), manifestou por semanas sua vontade de presidir a Câmara dos Deputados, algo que o DEM e o MDB não gostaram. Lira também é visto como uma "líder informal" do governo na Câmara.

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, faz palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).
    © Foto / Tomaz Silva/Agência Brasil
    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, faz palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

    Desde a semana passada, outros partidos do Centrão, como o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e o Partido Social Liberal (PSL), também estão estudando sua saída do grupo.

    A perda dos 63 deputados do DEM e do MDB, este o partido do ex-presidente Michel Temer, é um duro golpe para o governo Bolsonaro, que vê sua base principal no Congresso enfraquecida, essencial não só para poder aprovar os projetos que o Executivo está interessado, como a Reforma Tributária, mas também para barrar um processo de impeachment contra o presidente da República, caso aceito na Câmara.

    Mais:

    Maia descarta impeachment de Bolsonaro: 'Hora de discutir união do Brasil'
    'Bolsonaro é a crise': CUT e movimentos de esquerda entram com impeachment do presidente
    Bolsonaro anuncia recriação do Ministério das Comunicações e nomeia ministro do 'Centrão'
    Tags:
    Congresso Nacional, impeachment, Câmara dos Deputados, política, centrão, DEM, MDB, Rodrigo Maia, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar