11:30 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2113
    Nos siga no

    Neste sábado (25), entregadores de aplicativos realizaram a segunda greve nacional da categoria no Brasil reivindicando melhorias nas condições de trabalho.

    O movimento batizado de "Breque dos Apps" reivindica melhores condições para os trabalhadores dos aplicativos de entrega. Entre as reivindicações estão o reajuste dos valores recebidos por entrega, a introdução de reajuste anual dos valores, fornecimento de equipamentos de proteção individual contra a COVID-19 e apoio contra acidentes.

    Nas redes sociais, lideranças dos entregadores, assim como movimentos sociais, pedem adesão da população à paralisação, sugerindo que não comprem nada ao longo do sábado (25) através dos aplicativos.

    ​Entre as empresas criticadas pelos entregadores estão aplicativos populares no Brasil, como o iFood, o Rappi, o Loggi e o James, entre outros.

    Entregadores de aplicativo protestam em São Paulo em meio à pandemia do novo coronavírus
    © REUTERS . Amanda Probelli
    Entregadores de aplicativo protestam em São Paulo em meio à pandemia do novo coronavírus

    A primeira paralisação do movimento ocorreu no dia 1º de julho deste ano e realizou passeatas com milhares de entregadores espalhados por capitais do país. Anteriormente, a segunda paralisação fora marcada para o dia 12 do mesmo mês, mas a data foi alterada para não coincidir com protestos contra e a favor do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

    Dados de pesquisa realizada por encomenda do iFood, segundo publicou o site de notícias UOL, apontam que 40% dos entregadores apoiaram a primeira greve, enquanto 23% não apoiaram. Ainda, 18% se disseram indiferentes, 8% não souberam do movimento e 18% preferiram não responder.

    Mais:

    Uber perde processo trabalhista no Reino Unido
    Entregadores de aplicativo brasileiros anunciam greve nacional por direitos trabalhistas
    Greve dos entregadores de aplicativo atinge ao menos 7 estados
    Tags:
    Jair Bolsonaro, COVID-19, Brasil, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar