13:22 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)
    481
    Nos siga no

    A flexibilização do isolamento social no Brasil deve ser feita levando em conta a situação de cada região e de forma lenta e monitorada, disse o epidemiologista Guilherme Werneck à Sputnik Brasil.

    Nesta sexta-feira (24), completam-se quatro meses do início da quarentena em São Paulo, primeiro estado do país a adotar a medida para combater a disseminação do novo coronavírus. 

    Desde então, muita coisa aconteceu. O Brasil viu dois ministros da Saúde deixando o cargo, o presidente Jair Bolsonaro criticando o isolamento social, a disputa entre o governo e a ciência pelo uso da cloroquina, queda na produção industrial, empresas falindo e, mais recentemente, o começo da reabertura da economia. 

    E dos primeiros casos da COVID-19, registrados ainda em fevereiro, até hoje, o país somou, segundo boletim do ministério da Saúde de quinta-feira (23), 84.082 mortes e 2.287.475 casos da doença. 

    Para o médico e epidemiologista Guilherme Werneck, professor do Instituto de Medicina Social da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), a flexibilização está sendo feito sem bases sólidas e de maneira "desorganizada" em determinadas áreas do Brasil, o que causa "preocupação". 

    'Sem base epidemiológica forte'

    "O que choca não é que em alguns locais a reabertura esteja sendo proposta. É que essa reabertura está sendo feita e as decisões tomadas sem uma base epidemiológica forte, sólida, com base no conhecimento científico", afirmou o especialista. 

    Apesar disso, ele considera que realmente existem lugares no Brasil que podem iniciar o processo de reabertura da economia e a flexibilização do isolamento social. 

    "Nos locais onde as evidências epidemiológicas e as condições de saúde e do sistema de vigilância são apropriados, devemos sim iniciar, lentamente, um processo de reabertura, e observar o que vai acontecer", disse Werneck. 

    Para o epidemiologista, o processo deve ser adotado de acordo com as especificidades regionais, sendo impossível determinar medidas comuns para todo o Brasil. 

    Chance de aumento dos casos

    "Principalmente nas regiões Centro-Oeste e Sul e do país ainda estamos em um momento de crescimento da epidemia. Ao mesmo tempo, algumas cidades, como Rio de Janeiro, Manaus, São Luís e Fortaleza, estariam experimentando um declínio no número de casos e óbitos. O panorama epidemiológico é muito variado no Brasil, as decisões sobre a reabertura e a flexibilização das regras de distanciamento físico têm que ser consideradas para cada local específico", ponderou. 

    Werneck diz ainda que "há uma chance bastante razoável" da reabertura provocar um "aumento do número de casos e óbitos", pois a COVID-19 é uma doença respiratória de fácil transmissão. Por isso, ele ressalta que protocolos de segurança, como uso de máscaras, devem ser seguidos e a flexibilização monitorada continuamente. 

    E, caso haja um aumento dos casos, com ocupação dos hospitais e mortes, "eventualmente teríamos que retornar a uma etapa anterior". 

    'Abre e fecha' pode ser pior

    A possibilidade de uma segunda onda da COVID-19 é citada pelo economista Mauro Rochlin, professor dos cursos de MBA da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro, para questionar se a reabertura está sendo feita cedo demais. 

    Segundo ele, os efeitos de um retorno ao isolamento seriam até mais prejudiciais do que a manutenção da quarentena. 

    "Particularmente, acredito que o isolamento, uma quarentena mais rigorosa, às vezes até mais prolongada, seria a melhor solução. Isso porque, não havendo mais contaminação, ou a quarentena levando a uma redução muito grande do contágio, permitiria uma reabertura mais segura. A ideia seria evitar um abre e fecha, abre e fecha, porque esse tipo de movimento me parece ser o pior", disse Rochlin à Sputnik Brasil. 

    Para o especialista, as dúvidas sobre a evolução da epidemia no Brasil também tornam muito difícil fazer uma avaliação do impacto da COVID-19 na economia, bem como de quando o país poderia voltar a um cenário parecido com de antes da doença. 

    "O nível de incerteza ainda é muito alto", afirmou. 

    'Cedo para fazermos prognósticos'

    Rochlin observa que, no início da pandemia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentou relatório que previa queda de 5,2% da economia brasileira. No entanto, mais recentemente, em junho, novo informe da entidade apontava uma recessão muito maior, de 9,1%. 

    "Apesar de estarmos no mês de julho, ainda é um pouco cedo para fazermos um prognóstico mais preciso. Isso porque nós temos a perspetiva, ou a possibilidade, de haver uma segunda onda, o que traz um horizonte de incerteza em termos econômicos. Se houver necessidade de novos fechamentos, novos lockdown, certamente o efeito em termos de queda do PIB vai ser muito maior", disse.
    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)

    Mais:

    Desmatamento na Amazônia e crise do coronavírus: analistas preveem Brasil isolado
    Número de mortos pela COVID-19 no Brasil ultrapassa 84 mil
    Proteínas humanas poderiam provocar mutações no coronavírus, sugerem cientistas
    Bolsonaro tenta 'enganar' brasileiros ao promover a hidroxicloroquina, diz pneumologista
    Tags:
    São Paulo, Rio de Janeiro, casos, mortes, lockdown, isolamento, quarentena, Jair Bolsonaro, economia, epidemia, saúde, pandemia, COVID-19, novo coronavírus, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar