21:15 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)
    0 81
    Nos siga no

    Segundo informe do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgado nesta quinta-feira (23), o Brasil registrou 1.311 mortes pelo coronavírus nas últimas 24 horas, fazendo total chegar a 84.082.

    O número de novos casos confirmados da COVID-19 foi de 59.961. Com isso, o total de pessoas já infectadas pelo vírus chegou a 2.287.475. 

    O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos e de óbitos causados pela doença. 

    Segundo o Conass, a taxa de letalidade da COVID-19 no Brasil é de 3,7%. O índice de mortalidade (por 100.000 habitantes) é de 40, enquanto a taxa de incidência (por 100.000 habitantes) é de 1.088,5. 

    O estado mais atingido é São Paulo, com 452.007 casos e 20.894 mortes. O Ceará tem 156.242 casos e 7.374 mortes, enquanto o Rio de Janeiro registrou 151.549 casos e 12.535 óbitos. 

    Média de mortes sobe em 12 estados

    Segundo levantamento de consórcio de imprensa criado para acompanhar a evolução da doença, a média de mortes está subindo em 12 estados: Roraima, Amapá, Pará, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraíba. 

    Em nove estados, a média é estável: Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Maranhão, Bahia, Sergipe, Pernambuco e no Distrito Federal. 

    Em seis estados há registro de queda: Amazonas, Acre, Piauí, Ceará, Alagoas e Rio Grande do Norte.

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)

    Mais:

    IBGE: quase metade da população recebeu auxílio emergencial do governo
    'Não há carvão limpo': secretário da ONU quer energia renovável e economia verde no mundo pós-COVID
    'Temos obrigação de cuidar do nosso povo', diz líder do Paraguai ao não abrir fronteira com Brasil
    Tags:
    Brasil, estados, casos, mortes, saúde, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar