13:19 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)
    0 41
    Nos siga no

    Um relatório denunciando a falta de políticas públicas para indígenas urbanos no Brasil será enviado à Organização das Nações Unidas (ONU). A Sputnik Brasil ouviu um dos organizadores do estudo, que apontou que a invisibilidade desse grupo gera vulnerabilidade social agravada pela pandemia da COVID-19.

    A Articulação Nacional de Indígenas em Contextos Urbanos e Migrantes é a principal organizadora do relatório que será entregue à ONU denunciando a "invisibilidade" desses povos e a sua situação no contexto da pandemia da COVID-19 no Brasil.

    O documento denuncia a falta de políticas públicas para indígenas que vivem em zonas urbanas no país, em particular no que se refere à pandemia. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos mais de 800 mil indígenas no país, 38% vivem nas cidades.

    Marcos Aguiar, coordenador do projeto Indígenas na Cidade, da ONG Opção Brasil, e um dos idealizadores do relatório, explica que essa situação é conhecida e ressalta que todas as capitais brasileiras têm presença indígena, mas que há falta de recursos para o monitoramento dessas populações.

    "Quando se fala, por exemplo, em subnotificação da COVID-19, também tem a subnotificação em relação aos indígenas de forma geral. E se tem essa subnotificação [na população indígena em geral], [...] [há] mais na questão urbana. É o caso, por exemplo, de indígenas que faleceram por COVID-19 no Brasil e foram colocados como não indígenas por estarem na cidade", afirma Aguiar em entrevista à Sputnik Brasil.

    Conforme publicou o site Rede Brasil Atual, o relatório a ser enviado para a ONU define a situação indígena no contexto da pandemia como uma "política genocida de Estado" que se expressa com "números assustadores". Segundo aponta a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a taxa de mortalidade da COVID-19 entre indígenas é duas vezes maior do que a da população em geral.

    Familiares no funeral do cacique Messias Kokama, uma das principais lideranças indígenas de Manaus (AM), vítima da COVID-19, 14 de maio de 2020
    © REUTERS / Bruno Kelly
    Familiares no funeral do cacique Messias Kokama, uma das principais lideranças indígenas de Manaus (AM), vítima da COVID-19, 14 de maio de 2020

    Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) aponta ainda que a população indígena tem a maior taxa de mortalidade por raça entre pacientes internados com a COVID-19 no país - 48%. Entre os pardos, a taxa é de 40%, enquanto entre pretos é de 36%, entre amarelos é de 34% e entre brancos é de 28%.

    Em relação aos indígenas em zonas urbanas, essa situação é acompanhada do alto risco de contágio da doença. Segundo dados de estudo da FIOCRUZ, há 190.767 indígenas no Brasil que vivem nessa situação. O estudo destaca ainda que esse quadro de alto risco abrange 67,5% da população indígena urbana do Centro-Oeste e 79,4% da região Sul-Sudeste.

    Marcos Aguiar ressalta que as populações indígenas urbanas estão sofrendo impactos sociais e econômicos durante a pandemia difíceis de mensurar devido à falta de políticas públicas, e que por isso tomou parte na iniciativa de enviar o relatório à ONU. Ele aponta que não há no Brasil políticas públicas voltadas a essas populações.

    "Por conta desses fatores e outros, que começam desde a invisibilidade do indígena no meio urbano a esse processo da saúde, do preconceito, e até dessa geração de renda, entre tantos outros, a gente pensou que é importante estar relatando isso", recorda.
    Sessão em homenagem aos povos indígenas no Senado
    Jane de Araújo/Agência Senado
    Sessão em homenagem aos povos indígenas no Senado

    A pesquisa ouviu grupos indígenas de diversos estados do Brasil, articulando coletivos e organizações de todo o país para o relatório, explicitando a invisibilidade dessas populações que, segundo Aguiar, deixa marcas profundas entre os próprios indígenas urbanos.

    "A grande São Paulo é falante de mais de 18 dialetos indígenas, o Rio de Janeiro também, Brasília também. É uma riqueza invisível", aponta o ativista, ressaltando a importância de dar visibilidade a essas populações.

    Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que os indígenas representam 30% da população em situação de extrema pobreza no Brasil. Além disso, cerca de 82% têm trabalhos informais. Segundo o relatório idealizado por Aguiar, essa situação fica ainda mais grave no contexto urbano.

    O documento enviado às Nações Unidas deve ainda integrar um estudo mais amplo coordenado pelo Relator Especial Sobre os Direitos dos Povos Indígenas das Organizações das Nações Unidas (ONU). A data de lançamento do estudo ainda não foi definida.

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)

    Mais:

    COVID-19 atinge quase um terço das etnias indígenas no Brasil, segundo comitê
    Barroso determina que governo crie plano para evitar morte de indígenas por coronavírus
    Líder indígena da maior tribo do Rio morre de COVID-19
    Tags:
    IBGE, COVID-19, ONU, Fiocruz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar