23:06 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 23
    Nos siga no

    A 23ª Vara Federal do Rio de Janeiro decidiu suspender parte da ação que pedia indenização de R$ 70 mil em danos morais de Regina Duarte por fazer apologia à tortura.

    A ação foi movida por Lygia Jobim após entrevista de Duarte, então secretária de cultura do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), à emissora CNN Brasil. Na ocasião, Duarte cantou música do regime ditatorial e disse que "a humanidade não para de morrer. Se você falar 'vida' do outro lado tem 'morte'. Sempre houve tortura".

    Lygia Jobim é filha do diplomata José Pinheiro Jobim, que foi sequestrado, torturado e morto por oficiais da ditadura em 1979. 

    Em sua decisão, a juíza Maria Amélia Almeida Senos de Carvalho alegou que Duarte não pode responder como pessoa física pelos seus comentários. Todavia, a União ainda responde ao processo. 

    A Comissão Nacional da Verdade concluiu que 434 pessoas foram mortas pela ditadura militar — e os corpos de 210 dessas vítimas nunca foram encontrados. A CNV também concluiu que o Estado brasileiro foi responsável, por ação ou omissão, pela morte de 8.350 indígenas — e estima que este número "deve ser exponencialmente maior".

    Mais:

    Crivella e Flávio Bolsonaro destacam união e criticam imprensa em videoconferência
    'Séria ameaça': comissão da OEA pede que governo Bolsonaro proteja índios da COVID-19
    Jornal cita Bolsonaro ao noticiar permissão a líderes 'controversos' de visitar Museu do Holocausto
    Pesquisador aponta 'erro básico' de Bolsonaro que trará problemas se Biden vencer Trump
    Terceiro teste para COVID-19 de Jair Bolsonaro dá positivo
    Tags:
    ditadura, Brasil, Regina Duarte, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar