12:31 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)
    383
    Nos siga no

    O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) do grupo BRICS, que reúne as principais economias emergentes, emprestará US$ 1 bilhão (R$ 5,3 bilhões) ao Brasil para ajudar a combater os danos econômicos da crise da COVID-19, informou a instituição nesta segunda-feira (20).

    Os recursos serão alocados ao programa de pagamento de ajuda emergencial do governo federal, que o NDB estima que poderia beneficiar cinco milhões de trabalhadores informais, famílias de baixa renda e desempregados.

    "O financiamento do NDB é uma ferramenta importante para o governo brasileiro garantir uma resposta fiscal robusta para combater a pandemia e permitir que sejam feitos investimentos prioritários, apoiando assim a recuperação econômica", afirmou o NDB em comunicado.

    De acordo com o banco, criado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o empréstimo será financiado por outros bancos multilaterais e agências internacionais de desenvolvimento, como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, trazendo empréstimos totais para Brasil de US$ 4 bilhões (cerca de R$ 21 bilhões).

    As estimativas das principais instituições internacionais e do próprio Ministério da Economia variam, mas em comum são bastante pessimistas sobre o tamanho da queda do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020, com números variando entre 4% e 9% de retração.

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no final de julho (61)

    Mais:

    Banco do BRICS alocará US$ 15 bi para recuperação da economia dos países-membros após pandemia
    Como Mercosul e BRICS podem ajudar na recuperação do Brasil pós-pandemia?
    Kremlin: estão incertas datas de realização das cúpulas de BRICS e OCX na Rússia
    Tags:
    economia, novo coronavírus, COVID-19, empréstimos, Banco dos BRICS, BRICS, África do Sul, China, Índia, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar