09:06 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)
    0 40
    Nos siga no

    Quatro em cada 10 empresas brasileiras que interromperam suas atividades em junho o fizeram devido à pandemia do novo coronavírus, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    O estudo que analisa os impactos da COVID-19 no Brasil revelou que das 1,3 milhão de empresas que interromperam temporária ou permanentemente suas atividades, 522.700 (39,4%) o fizeram devido a restrições para enfrentar a pandemia.

    "Esse impacto no fechamento de empresas se espalhou por todos os setores da economia, atingindo 40,9% entre as empresas de comércio, 39,4% em serviços, 37% em construção e 35,1% no setor", afirmou o IBGE.

    Entre as 2,7 milhões de empresas com atividade durante a primeira quinzena de junho, 70% relataram um impacto geral negativo em seus negócios da COVID-19, enquanto 16,7% foi menor ou inexistente. Por outro lado, 13,6% disseram que a nova pandemia do novo coronavírus trouxe novas oportunidades e um efeito positivo em sua empresa.

    O setor que declarou os maiores efeitos negativos da pandemia foi o de serviços, no qual 74,4% sentiram o impacto, seguidos pela indústria (72,9%), construção (72,6%) e comércio (65,3 %).

    "Os dados indicam que a COVID-19 impactou mais fortemente os segmentos que, para realizar suas atividades, não podem prescindir de contato pessoal [...] que inclui atividades como bares, restaurantes e alojamentos, além do setor de construção", destacou o IBGE.
    Vendas no varejo
    Tânia Rego/Agência Brasil
    Vendas no varejo

    Na primeira quinzena de junho, havia cerca de quatro milhões de empresas ativas no Brasil, das quais 2,7 milhões (67,4%) operavam total ou parcialmente, 716.400 (17,6%) fecharam em definitivo e 610.300 (15%) o fizeram temporariamente, de acordo com o levantamento.

    Das empresas que fecharam permanentemente, 715.100 (99,8%) eram pequenas (até 49 trabalhadores), enquanto quase 1.200 eram de tamanho médio (entre 50 e 499 funcionários) e nenhuma empresa grande (mais de 500) fechou suas portas.

    Por setores, os serviços apresentaram o maior percentual de empresas que fecharam permanentemente (334.300), seguidas pelo comércio (261.600), construção (68.700) e indústria (51.700).

    O Brasil é o segundo país no mundo mais afetado pela COVID-19, superado apenas pelos EUA, tanto em casos como em mortes registradas. O país sul-americano registrou até quarta-feira (15) 1.966.748 casos positivos desde o início da pandemia em seu território, além de 75.366 mortes, segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)

    Mais:

    Brasil precisa resolver problemas internos para superar recessão, diz economista da FGV
    Ex-ministros do Brasil pedem reconstrução da economia com atenção ao meio ambiente
    Ação do Peru contra Brasil na OMC parece 'estratégia de ingresso na OCDE', diz economista
    Tags:
    serviços, construção civil, negócios, empresas, novo coronavírus, COVID-19, comércio, economia, recessão, IBGE, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar