09:43 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 81
    Nos siga no

    A evasão escolar de jovens estudantes causa um prejuízo de R$ 214 bilhões anualmente ao Brasil, segundo revela o estudo "Consequências da Violação do Direito à Educação", feito pelo Insper em parceria com a Fundação Roberto Marinho.

    De acordo com o levantamento, são centenas de milhares de reais perdidos todo ano por cada aluno que não conclui a educação básica. Esse é o custo calculado nas dimensões da empregabilidade e remuneração, efeitos que a remuneração dos jovens têm para a sociedade, longevidade com qualidade de vida e violência. 

    Essa evasão corresponde a 3% do PIB e equivale a cerca de 70% do gasto de todos os níveis de governo com a provisão da educação básica por ano. E a expectativa atual é a de que, mantido o mesmo ritmo, 17,5% dos jovens que hoje têm 16 anos não terminarão a escola.

    "Os resultados, as consequências sociais e econômicas que a gente estimou são quatro: a gente estimou consequências em renda futura, em externalidade econômica, problemas com saúde e com violência. E tudo isso, quando a gente estimou, cada uma, com uma perda de R$ 372 mil por jovem", explica a economista Laura Müller Machado, professora do Insper e uma das autoras do estudo.

    De acordo com a especialista, entrevistada pela Sputnik Brasil, a não conclusão da educação básica faz o jovem perder, em média, R$ 159 mil, em salários, ao longo da vida.

    "E, para reverter esse quadro, a gente precisa de políticas públicas eficazes. O Brasil é grande, tem um monte de experiências, e a gente poderia avaliar as experiências que estão sendo exitosas e encontrar as melhores delas e divulgar para outras redes", afirma. 

    A pesquisa aponta que o custo de oferecer toda a educação básica (pré-escola, fundamental e médio) é da ordem de R$ 90 mil por estudante. Assim, o custo da evasão por jovem supera quatro vezes o que custa garantir a sua educação básica. E os jovens que não concluem a educação básica passarão 10% a menos de sua vida produtiva ocupados e, quando ocupados, passarão quase 20% a menos do seu tempo em empregos formais, recebendo remunerações entre 20% e 25% inferiores ao que receberiam se tivessem concluído a escola.

    Outro ponto de destaque diz que os jovens com educação básica tendem a ter menor envolvimento em atividades violentas, como homicídios. E, a cada ponto percentual de redução na evasão, seriam 550 homicídios a menos a cada ano, quando cada morte que poderia ser evitada caso o jovem concluísse a educação básica custa R$ 2,7 milhões ao país anualmente. 

    ​"Não reconhecer a educação como propulsora do desenvolvimento do país traz um gigantesco prejuízo monetário ao país. No contexto atual de forte restrição econômica, especialmente em virtude da pandemia, priorizar a educação, evitando a evasão escolar, é, sobretudo, mais importante. E cabe ainda outra mensagem ao gestor: não deixem de educar seus jovens. Além de ser um direito garantido na Constituição, ele traz um retorno gigantesco para o país", diz Wilson Risolia, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, em nota enviada à Sputnik Brasil.

    Mais:

    Impasses no Ministério da Educação mostram certo despreparo de Bolsonaro no setor, diz especialista
    Bolsonaro anuncia professor e pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação
    Maioria dos brasileiros defende que escolas devem permanecer fechadas, diz pesquisa
    Tags:
    ensino, evasão, prejuízo, pesquisa, Insper, estudo, educação, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar