10:42 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)
    120
    Nos siga no

    Vários ex-ministros da Economia e ex-presidentes do Banco Central do Brasil de diferentes governos lançaram uma carta conjunta nesta terça-feira (14) pedindo que a reconstrução da economia brasileira após os efeitos da pandemia do novo coronavírus.

    Segundo a carta conjunta, é preciso que tal movimento de retomada econômica do Brasil seja feito com critérios que levem em consideração a preservação do meio ambiente, um dos aspectos críticos ante investidores internacionais.

    "Defendemos que os critérios de redução de emissões e estoque de gases de efeito estufa na atmosfera e de resiliência aos impactos das mudanças climáticas sejam integrados ao gerenciamento da política econômica", diz a carta conjunta, que é uma crítica direta à administração do presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes.

    O documento lembra que o Brasil começa com "vantagens óbvias" devido à sua matriz energética, com radiação solar abundante, agricultura vigorosa, recursos hídricos e florestas extensas e biodiversas, pelas quais "se interessa" por estar entre o que os líderes mundiais defendem nessa transição rumo a uma economia mundial neutra em carbono.

    A carta alerta contra um dos pontos mais criticados da gestão do governo Bolsonaro, alertando que o desmatamento na Amazônia tem um impacto negativo na agricultura, porque acabará alterando o regime de chuvas.

    Além disso, ela lembra que importantes investidores estrangeiros já "expressam veementemente seu descontentamento e preocupação" com o aumento das taxas de desmatamento, o que se traduzirá claramente em menos fluxos de comércio e investimento no país".

    O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, após reunião na sede do ministério, em Brasília no dia 6 de maio de 2019.
    © Folhapress / Pedro Ladeira/Folhapress
    O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, após reunião na sede do ministério, em Brasília no dia 6 de maio de 2019.

    A carta é assinada, entre outros, pelo ex-presidente e ex-ministro Fernando Henrique Cardoso, e pelos ex-ministros da Economia Armínio Fraga, Nelson Barbosa, Henrique Meirelles, Joaquim Levy, Pedro Malan, Eduardo Guardia, Gustavo Krause e Luiz Carlos Bresser-Pereira, Maílson da Nóbrega, Marcílio Marques Moreira, Rubens Ricupero e Zélia Cardoso de Mello.

    Os ex-presidentes do Banco Central Ilan Goldfajn, Pérsio Arida, Alexandre Tombini e Gustavo Loyola também foram acrescentados ao texto.

    Todos lideraram a política econômica e monetária do Brasil desde a redemocratização dos anos 1980 até o governo do ex-presidente Michel Temer.

    A carta é semelhante a outras que, nos últimos meses, foram assinadas por ex-ministros da Saúde, Educação ou Meio Ambiente de vários sinais políticos diferentes para expressar sua rejeição às políticas do governo Bolsonaro, independentemente de suas diferenças.

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia do coronavírus em meados de julho (47)

    Mais:

    Com queimadas em alta, Bolsonaro se diz defensor da Amazônia e dos índios em cúpula do Mercosul
    Mourão vê 'Brasil injustiçado' por investidores e promete ações contra desmatamento na Amazônia
    Mourão: Desmatamento foi além do aceitável na região amazônica
    Tags:
    Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, reconstrução, novo coronavírus, COVID-19, destruição, pandemia, desmatamento, meio ambiente, Banco Central, economia, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar