22:37 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    475
    Nos siga no

    O Instituto Marielle Franco lançou nesta segunda-feira (13) uma plataforma com o objetivo de viabilizar candidaturas de mais mulheres negras nas eleições e aumentar o compromisso com a defesa de políticas públicas antirracistas.

    Nomeada Plataforma Antirracista nas Eleições (PANE), a iniciativa pretende reunir ações e ferramentas desenvolvidas pelo instituto e organizações parceiras para mover as estruturas do sistema político no Brasil, com foco inicial no pleito municipal deste ano.

    "Pandemia, crescimento do fascismo, primeiras eleições municipais após o assassinato de Marielle e após o levante negro mundial. Essas eleições municipais serão as mais desafiadoras das últimas décadas. O que estamos vivendo hoje é a consequência de problemas históricos", afirma o instituto em nota enviada à Sputnik Brasil. 

    ​"Na plataforma, nós vamos pressionar para que os partidos possam de fato garantir recursos para viabilizar candidaturas negras em todas as cidades", explica Anielle Franco, diretora do Instituto Marielle Franco e irmã da vereadora assassinada em um atentado realizado contra ela e o motorista Anderson Gomes em 14 de março de 2018.

    Acusado de matar Marielle é indiciado por tráfico de armas

    Também nesta segunda-feira (13), o policial militar reformado Ronnie Lessa, preso pela execução de Marielle e Anderson, foi indiciado pela Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) do Rio de Janeiro por tráfico internacional de armas.

    De acordo com o jornal O Globo, a investigação apurou que Lessa e sua filha, Mohana Figueiredo, também indiciada, mantinham um esquema internacional criminoso desde 2014, envolvendo três países. O ex-PM comprava peças da China, pela Internet, que eram enviadas diretamente para os Estados Unidos, onde Mohana morava e se encarregava de fraudar a identificação dos produtos antes de mandá-los para o Brasil. Chegando aqui, Lessa montava as armas e as distribuía para milicianos e traficantes do Rio de Janeiro.

    Mais:

    Acusados de matar Marielle Franco e Anderson Gomes vão a júri popular
    Marielle, 2 anos e poucas respostas: 'Tempo demais de espera'
    STJ decide rejeitar federalização do caso Marielle e Anderson
    Bombeiro é preso no Rio por suspeita de ligação com morte de Marielle Franco
    Tags:
    eleição, eleições, tráfico de armas, Ronnie Lessa, negros, racismo, Anderson Gomes, Assassinato de Marielle Franco, Marielle Franco, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar