18:16 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Pandemia do coronavírus no Brasil no início de julho (50)
    1103
    Nos siga no

    A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) apresentou nesta quinta-feira (9) uma queixa criminal ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Jair Bolsonaro, depois que ele tirou a máscara em uma entrevista em que anunciou que havia testado positivo para o novo coronavírus.

    Na denúncia, a ABI alegou que Bolsonaro havia cometido pelo menos dois crimes relacionados a colocar a vida ou a saúde de alguém em risco iminente e não impedir a propagação de uma doença infecciosa.

    Bolsonaro anunciou estar com COVID-19 na terça-feira (7). Há quem acredite que a doença do presidente simbolize a resposta falha do governo ao surto no Brasil, o segundo pior do mundo em números absolutos. Mais de 1,7 milhão de pessoas no Brasil deram positivo para a COVID-19 e quase 68 mil morreram.

    As emissoras brasileiras colocaram em quarentena os jornalistas que foram expostos a Bolsonaro na entrevista, situação que deve ser mantida por 14 dias e até que testassem negativos para a doença.

    A ABI, um prestigiado grupo profissional que advoga pelo jornalismo, solicitou que a denúncia fosse enviada ao gabinete do procurador-geral da República, Augusto Aras, para decidir se havia motivos para prosseguir com uma investigação criminal.

    Presidente Jair Bolsonaro carrega uma criança em suas costas em ato a favor do seu governo em Brasília
    © AP Photo / Andre Borges
    Presidente Jair Bolsonaro carrega uma criança em suas costas em ato a favor do seu governo em Brasília

    Bolsonaro, de 65 anos, está atualmente em quarentena e disse estar se sentindo bem. O mandatário tem uma relação espinhosa com jornalistas, alegando tratamento injusto ao que ele rapidamente classifica na cobertura desfavorável como sendo uma notícia falsa.

    O Facebook suspendeu na quarta-feira (8) uma rede de contas de mídia social que, segundo a empresa, foram usadas para espalhar mensagens políticas divergentes on-line por assessores ao presidente e dois de seus filhos – Flávio e Eduardo Bolsonaro.

    As alegações do Facebook se somam a uma crise no Brasil, onde os filhos e apoiadores de Bolsonaro foram acusados ​​de realizar uma campanha on-line coordenada para difamar os adversários.

    As acusações estimularam uma investigação do Congresso e uma investigação separada do STF sobre ataques ao Judiciário, o que levou a visitas policiais nas casas e escritórios dos aliados de Bolsonaro no mês de maio.

    Bolsonaro, que está sob críticas crescentes por lidar com o surto do novo coronavírus, já afirmou que a investigação do tribunal é inconstitucional e corre o risco de estabelecer censura no Brasil.

    Tema:
    Pandemia do coronavírus no Brasil no início de julho (50)

    Mais:

    Bolsonaro diz que pulmões estão 'limpos' após testar para COVID-19
    Bolsonaro deve refletir após testar positivo para COVID-19, diz ex-ministro Mandetta
    Planalto não determinou afastamento de servidores que tiveram contato com Bolsonaro
    Tags:
    fake news, Supremo Tribunal Federal (STF), Jair Bolsonaro, COVID-19, novo coronavírus, saúde, censura, imprensa, ABI, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar