05:42 01 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4317
    Nos siga no

    Em reunião virtual do Mercosul, o presidente brasileiro defendeu que existe uma visão "distorcida" sobre a política ambiental do Brasil.

    Durante cúpula virtual do Mercosul, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, salientou o "firme propósito" do bloco em assinar um acordo com a União Europeia.

    Nesta quinta-feira (2), Bolsonaro afirmou que o governo brasileiro busca "desfazer opiniões distorcidas" quanto à política de proteção ambiental e dos povos indígenas implementada pelo Brasil, divulga o portal G1.

    A reunião, organizada por videoconferência, contou com a presença dos chefes de Estado do Mercosul.

    "Nosso governo dará prosseguimento ao diálogo com diferentes interlocutores para desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil e expor a preservação, as ações que temos tomado em favor da proteção da Floresta Amazônica e do bem-estar das populações indígenas", declarou Bolsonaro.

    O posicionamento ocorre após dois dias da divulgação da alta das queimadas na Amazônia. O mês de junho contou com o maior número de queimadas desde 2007, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

    Através da análise de imagens de satélite, o INPE registrou um aumento de 19,6% nas queimadas em relação ao mesmo período de 2019.

    Tão desejado acordo comercial com UE

    O mandatário incluiu a preservação da floresta e "bem-estar" dos indígenas ao se posicionar quanto aos acordos comerciais do Mercosul com blocos comerciais como a União Europeia.

    O governo brasileiro tem sido fortemente criticado pela comunidade internacional em razão de sua política ambiental, o que se mostra um impedimento para a concretização do acordo com o bloco europeu e outros. Para tal desafio, Bolsonaro defendeu que o governo buscará expor as medidas atuais implementadas com o intuito de proteger a Floresta Amazônica.

    Operação do Exército em combate aos incêndios na Amazônia em 2019.
    © Folhapress / Lilo Clareto
    Operação do Exército em combate aos incêndios na Amazônia em 2019.

    "Apelo a todos os presidentes para que, como eu mesmo fiz, instruam seus negociados a fechar os textos. Atuemos com firme propósito de deixá-los prontos para assinar neste semestre", disse o presidente da República.

    Mais:

    Celso de Mello prorroga inquérito sobre suposta interferência de Bolsonaro na PF
    Incêndios crescem em junho na Amazônia e casos de COVID-19 podem se agravar na estação seca
    Com Bolsonaro no poder, Parlamento holandês rejeita acordo entre UE e Mercosul
    Tags:
    indígenas, proteção ambiental, União Europeia, acordo comercial, queimadas, Mercosul, Amazônia, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar