23:46 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    110
    Nos siga no

    A produção industrial brasileira cresceu 7% em abril, em comparação com maio deste ano, segundo a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    A alta é a maior registrada desde junho de 2018 (12,9%), mas veio depois de duas fortes quedas consecutivas em março (-9,2%) e em abril (-18,8%), informou o estudo do IBGE, publicado nesta quinta-feira (2).

    No entanto, comparando com o mês de maio do ano passado, foi registrada uma queda de 21,9%. Desse modo, este já é o sétimo resultado negativo consecutivo neste tipo de comparação.

    A produção industrial acumula quedas de 8% na média móvel trimestral, de 11,2% no acumulado do ano e de 5,4% no acumulado de 12 meses.

    Na passagem de abril para maio, a maior alta na produção foi observada entre os bens de consumo duráveis (92,5%), seguida pelos bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos usados no setor produtivo (28,7%). Os bens de consumo semi e não duráveis cresceram 8,4% e os bens intermediários, isto é, os insumos industrializados usados no setor produtivo, subiram 5,2%.

    ​Vinte dos 26 ramos industriais pesquisados tiveram aumento na produção, com destaque para veículos automotores, reboques e carrocerias (244,4%); coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (16,2%); e bebidas (65,6%). Esses crescimentos foram impulsionados, em grande medida, pelo retorno à produção de unidades produtivas, após interrupções ocorridas devido à pandemia de COVID-19.

    "A partir do último terço de março, várias plantas industriais foram fechadas, sendo que, em abril, algumas ficaram o mês inteiro praticamente sem produção, culminando no pior resultado da indústria na série histórica da pesquisa. O mês de maio já demonstra algum tipo de volta à produção, mas a expansão de 7% se deve, principalmente, a uma base de comparação muito baixa. Mesmo com o desempenho positivo, o total da indústria ainda se encontra 34,1% abaixo do nível recorde, alcançado em maio de 2011", disse o gerente da pesquisa, André Macedo, citado pela Agência Brasil.

    Por outro lado, seis atividades tiveram queda na produção, entre elas as indústrias extrativas (-5,6%) celulose, papel e produtos de papel (-6,4%) e perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-6%).

    Mais:

    Oferta de crédito a pequenas empresas ainda não é suficiente para atender demanda, diz economista
    Após visita ao STF, Bolsonaro amplia serviços essenciais com construção civil e indústrias
    Desenha-se um cenário de pesadelo para a indústria do petróleo offshore
    Tags:
    COVID-19, indústria, Brasil, IBGE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar