05:00 29 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1202
    Nos siga no

    O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) perdeu direito ao foro privilegiado em duas investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) sobre o possível uso de funcionários fantasmas.

    O MP decidiu que não há foro por prerrogativa para o cargo de vereador, acatando decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Com isso, 21 ações penais originárias e investigações de vereadores do Rio foram enviadas à primeira instância. 

    Carlos é investigado por empregar em seu gabinete a ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Ana Cristina Valle, e outros sete parentes dela, informa o G1. A apuração tenta descobrir, também, se havia rachadinha no gabinete do vereador. Há uma investigação civil e outra criminal. 

    Ainda de acordo com o G1, alguns dos funcionários de Carlos sequer moravam no Rio e um deles, Gilmar Marques, disse não se lembrar de ter trabalhado no gabinete do vereador.

    A medida que envolve Carlos ocorre após seu irmão Flávio Bolsonaro conseguir direito ao foro privilegiado no processo que investiga a possível existência de "rachadinha" em seu gabinete. 

    Mais:

    Impasses no Ministério da Educação mostram certo despreparo de Bolsonaro no setor, diz especialista
    Apoiado em Guedes e no Centrão, Bolsonaro enfrenta 'ativismo judicial' herdado de Moro
    Alexandre de Moraes prorroga prisão de blogueiro bolsonarista por mais 5 dias
    Justiça derruba decisão que determinou uso de máscara por Bolsonaro
    Bolsonaro subestimou a COVID-19 e Brasil paga a conta, avalia chefe da Cruz Vermelha
    Tags:
    foro privilegiado, Ministério Público, Carlos Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar