14:21 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) recusou nesta segunda-feira (29) a proposta dos indiciados pelo incêndio no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo, zona oeste do Rio de Janeiro, em 2 de fevereiro de 2019.

    O ex-presidente do Clube de Regatas do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, e outros sete envolvidos no incêndio vão responder por dez homicídios culposos e três crimes de lesões corporais culposas, ou seja, quando não há intenção da prática do crime.

    Os acusados tinham dado entrada com um pedido de Proposta de Acordo de Não-Persecução Penal (ANPP) e buscavam evitar o processo criminal pela morte de 10 adolescentes e ferimentos em outros três atletas da equipe de base do clube.

    "Os indiciados deverão, assim, responder pelo crime de incêndio culposo, com o resultado de dez homicídios culposos e três crimes de lesões corporais culposas, sendo um deles o ex-Presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, que será notificado juntamente com os demais indiciados acerca da recusa de ANPP", disse o MP-RJ, em nota.

    O MP-RJ afirmou que "por ora, não há como afirmar a ocorrência de dolo eventual no resultado da morte — não sendo viável deduzir ou intuir que os indiciados tivessem a potencial certeza da possibilidade do fato ocorrido no alojamento".

    Mais:

    Tragédia no Flamengo: peritos fazem força-tarefa para reconhecer corpos
    'Não estamos falando de um puxadinho', diz CEO do Flamengo sobre incêndio
    Prefeitura fecha CT do Flamengo após tragédia que matou 10 atletas
    Melhores fotos da semana em que Flamengo reabre Campeonato Carioca durante pandemia
    Tags:
    Ministério Público do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, adolescentes, morte, incêndio, Flamengo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar