03:17 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    8142
    Nos siga no

    Nomeado há quatro dias, o ministro da Educação Carlos Alberto Decotelli voltou a ter o seu currículo acadêmico questionado nesta segunda-feira (29), quando a Universidade de Wüppertal, na Alemanha, negou que ele seja pós-doutor pela instituição.

    A universidade alemã conta no currículo acadêmico de Decotelli na plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), porém o certificado que o ministro alega ter obtido lá foi desmentido.

    Em um comunicado enviado ao jornal O Globo, a instituição informou que o ministro conduziu pesquisas na universidade por um período de três meses há quatro anos, em 2016, porém não concluiu nenhum programa de pós-doutorado, que, na Alemanha, dura de dois a quatro anos.

    Na sua página na plataforma Lattes, Decotelli declarou que frequentou a Universidade de Wüppertal entre 2015 e 2017, tendo recebido o certificado de pós-doutor, algo que não é um título acadêmico formal, mas caracteriza um acadêmico que conduz pesquisas após o doutorado.

    O doutorado do ministro da Educação foi alvo de escrutínio na semana passada. O reitor da Universidade de Rosário, na Argentina, afirmou que ele não tem o título de doutor na instituição, apesar de ter estudado lá. Decotelli cumpriu todos os créditos, mas o seu projeto de pesquisa foi rejeitado por uma banca de três avaliadores.

    Fachada da Universidade de Wüppertal, na Alemanha
    © Foto / Divulgação / Facebook / Universidade de Wüppertal
    Fachada da Universidade de Wüppertal, na Alemanha

    O ministro acabou corrigindo o seu currículo depois da polêmica, mas havia mantido o suposto pós-doutorado na Alemanha.

    Além das polêmicas com o doutorado e o pós-doutorado, Decotelli ainda tem sob suspeita o seu título de mestrado, obtido na Fundação Getúlio Vargas (FGV). A instituição investiga a suspeita de eventual plágio na dissertação. Em nota, o MEC negou qualquer má-fé do ministro, que iria revisar o trabalho.

    Antes de assumir o ministério, o militar da reserva Decotelli foi presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Na sua gestão, a entidade acabou se envolvendo em uma grande polêmica sobre uma licitação que acabou cancelada por vários problemas em seu edital.

    Ele não é o primeiro ministro do governo do presidente Jair Bolsonaro a ter informações controversas em seus currículos profissionais. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmava ter uma titulação de mestre junto à Universidade de Yale, nos EUA, o que foi negado pela instituição. Ele atribuiu o "erro" à sua assessoria.

    Já a ministra Damares Alves, da Mulher, Família e Direitos Humanos, declarou no passado ser mestre em Educação e Direito. Desmentida pela mídia, informou que seu mestrado era "bíblico".

    Mais:

    Weintraub deixa legado 'desastroso', mas nada deve mudar com sua saída, diz educadora
    Associação de funcionários do Banco Mundial pede que nomeação de Weintraub seja suspensa
    Portaria polêmica de Weintraub que acabava com cotas para negros e indígenas é revogada pelo MEC
    Tags:
    Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Jair Bolsonaro, Ministério da Educação, educação, mentira, plágio, Alemanha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar