06:49 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil no fim de junho (51)
    1221
    Nos siga no

    Estudo da UFPR indica que epicentro do coronavírus se deslocou para regiões Sul e Centro-Oeste e, segundo especialista disse à Sputnik Brasil, tendência é de que a COVID-19 continue se espalhando pelo país.

    Segundo modelo estatístico alimentado por pesquisadores do Laboratório de Estatística e Geoinformação, da Universidade Federal do Paraná, o contágio da doença está se disseminando de forma mais rápida nessas duas regiões.

    No Sul, uma pessoa está infectando em média outras 1,23, índice que sobe para 1,35 no Centro-Oeste. Quando o indicador é maior do que um, o número absoluto de infectados aumenta exponencialmente.

    No Norte, o índice de transmissibilidade, que já foi maior do que um, hoje está em 0,86, o que também acontece no Nordeste, que registra taxa de 0,92. 

    Para o epidemiologista Márcio Bittencourt, professor da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, em São Paulo, a explicação para o deslocamento da COVID-19 é "temporal" e "geográfica".

    "É simplesmente uma questão temporal. A epidemia está evoluindo com uma progressão geográfica, vindo dos primeiros epicentros no Norte e em São Paulo. Ela passa de uma pessoa para outra, então a progressão é geográfica, seguindo o trajeto das estradas e conexões aéreas e fluviais", explicou.

    'Vai chegar a todos os lugares'

    O especialista concorda que o distanciamento social adotado no país, e em alguns casos o lockdown, contribuiu para que a transmissão ficasse mais "lenta".

    No entanto, ele avalia que se medidas para conter a disseminação da COVID-19 não forem tomadas, a tendência é de que a enfermidade continue se espalhando e atinja todos os lugares do Brasil, ainda que de maneira "devagar".

    "Se medidas mais agressivas adicionais não forem tomadas, uma hora eventualmente ela vai chegar a todos os lugares", afirmou.

    Apesar de alertas de especialistas e do número de casos e mortes continuarem altos, várias cidades e estados do Brasil estão adotando medidas de flexibilização da quarentena.

    "Agora está se expandindo para o interior de São Paulo, para o restante do Sudeste, incluindo Minas Gerais, para o Centro-Oeste, em todos os estados, principalmente Goiás, para o Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul", indicou o epidemiologista.

    'A doença está em aceleração'

    Segundo números do Ministério da Saúde atualizados na quinta-feira (25), a região Centro-Oeste tem 77.098 casos da COVID-19 e 1.416 mortes, enquanto o Sul contabiliza 62832 casos e 1.328 óbitos. A região mais afetada é a Sudeste, com 427.499 casos e 25.505 mortes. 

    "A doença está em aceleração, mantendo uma velocidade de progressão acima de um em praticamente todo o Centro-Oeste e todo o Sul, e até na maior parte do Sudeste, tirando talvez o Rio de Janeiro", afirmou Bittencourt.

    Em um cenário como esse, o epidemiologista critica a postura adotada por algumas cidades em relação ao distanciamento social.

    "Tem cidades que estão com casas de shows abertas e parques de entretenimento, tem cidade com restaurantes, bares e academias abertos, então não sei exatamente quais são as cautelas tomadas em cada lugar", lamentou.

    Distanciamento social não basta

    O especialista diz ainda que as medidas para controlar a disseminação do vírus deveriam ter sido adotadas de forma mais "agressiva", e ressalta que "há muito mais coisa a se fazer" além do distanciamento social, como, por exemplo, uma "testagem mais intensa".

    "Mesmo onde as cautelas de distanciamento foram tomadas, ainda assim a gente deveria estar isolando individualmente todos os casos, fazendo quarentena de todos os contatos e usando medidas de bloqueio", opinou Márcio Bittencourt.
    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil no fim de junho (51)

    Mais:

    COVID-19 atinge quase um terço das etnias indígenas no Brasil, segundo comitê
    FMI prevê queda de 4,9% da economia global em função da pandemia do novo coronavírus
    Maio registra maior número de óbitos na história do Brasil e quadro pode piorar, alerta médico
    Tags:
    Goiás, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Sudeste, Sul, Centro-Oeste, Brasil, saúde, epidemia, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar