12:11 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    10924
    Nos siga no

    A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RJ decidiu, por dois votos a um, aceitar o pedido de habeas corpus do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos - RJ). O processo sobre as "rachadinhas" agora será avaliado pelo Órgão Especial, na 2ª instância.

    Os desembargadores da 3ª Câmara também validaram as decisões do juiz Flávio Itabaiana no processo, o que significa a manutenção da prisão de Fabrício Queiroz, bem como o mandado de prisão contra a sua mulher, Márcia, informou o portal G1.

    A defesa de Flávio Bolsonaro questiona a competência de Itabaiana para conduzir o processo que envolve o parlamentar no esquema das "rachadinhas", quando um deputado ou senador fica com parte dos salários dos seus assessores e funcionários.

    O senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, é acusado pelo Ministério Público estadual de chefiar uma organização criminosa.

    A defesa de Flávio Bolsonaro considera o Órgão Especial do TJ como o mais competente para julgar o caso, pois o senador era deputado estadual no período em que teriam ocorrido os fatos. Os investigadores, por outro lado, sustentam que o foro encerra quando o mandato termina, assim o caso poderia permanecer com o juiz Itabaiana.

    Se as decisões de Itabaiana até agora fossem consideradas inválidas, Fabrício Queiroz, ex-motorista e chefe de gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, preso há uma semana com mandado de prisão assinado pelo juiz, poderia estar livre.

    O mandado de prisão contra Márcia Oliveira de Aguiar, esposa de Queiroz e até o momento foragida, também seria revogado.

    Mais:

    Flávio Bolsonaro pagou plano de saúde e escolas das filhas com R$ 261 mil em dinheiro vivo, diz MP
    Flávio Bolsonaro elogia 'lealdade' de Wassef, mas anuncia que ele não é mais seu advogado
    Após saída de Wassef, advogados que defenderam Cabral e militares assumem defesa de Flávio Bolsonaro
    Tags:
    segunda instância, justiça, Brasil, Flávio Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar