20:00 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil no fim de junho (51)
    0 20
    Nos siga no

    O governo brasileiro, através do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), adquiriu 87 mil testes rápidos para COVID-19 que já estão sendo distribuídos nas prisões municipais, estaduais e federais do país.

    Em um comunicado, o Ministério da Justiça e Segurança Pública revelou que os 87 mil testes começaram a ser realizados no início de junho em todos os estados do país, com o objetivo de "realizar diagnóstico da COVID-19 para que medidas de isolamento e tratamento sejam iniciadas imediatamente, a fim de evitar a propagação do vírus".

    Segundo o ministério, até agora, o número de testes distribuídos para cada cadeia estadual e federal representa 10% do número total de prisioneiros e funcionários.

    Desde o início da pandemia, as penitenciárias apareceram como um possível foco da doença, devido à superlotação de prisioneiros e às precárias condições de higiene existentes na maioria das prisões em todos os estados brasileiros.

    Os 87 mil testes, embora forneçam informações importantes, estão distantes da testagem do total de detentos no Brasil, que hoje é de 773.151, conforme informado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

    O Brasil tem mais de um milhão de casos confirmados de COVID-19 e mais de 50.600 mortes, de acordo com os dados mais recentes do Ministério da Saúde, divulgados no domingo (21).

    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil no fim de junho (51)

    Mais:

    Um mal nunca vem só: COVID-19 torna pacientes mais vulneráveis a outras doenças, avisa acadêmica
    Brasileiros são os mais insatisfeitos com ações de governo contra COVID-19, diz pesquisa
    'Politizaram a pandemia': OMS alerta que crise da COVID-19 segue em aceleração
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, saúde, sistema penitenciário, penitenciária, prisioneiros, prisões, cadeia, Ministério da Justiça e Segurança Pública, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar