07:18 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    331
    Nos siga no

    Embora ainda seja investigado em inquérito que apura ataques ao STF, o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub disse nesta sexta-feira (19) que sairá do Brasil "o mais rápido possível".

    Por meio do Twitter, ele afirmou também que isso aconteceria em "poucos dias". Weintraub disse ainda que deseja "ficar quieto" e não quer "brigar" com ninguém no momento, mas fez um alerta: "Não me provoquem!". Segundo o ex-ministro, a mensagem era destinada "à tigrada e aos gatos angorás". 

    Após muita especulação sobre sua saída do governo, Weintraub anunciou em um vídeo divulgado na quinta-feira (18), no qual aparece ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que estava deixando o cargo, que ocupou durante um ano e dois meses. 

    ​O governo infirmou que ele ocupará cargo no Banco Mundial, em Washington. A entidade, por sua vez, confirmou que recebeu a indicação de Weintraub, mas sua nomeação ainda terá que ser aprovada. O nome do novo ministro da Educação ainda não foi anunciado. 

    Usina de polêmicas

    O período em que chefiou a pasta da Educação foi marcado por polêmicas e crises, como por exemplo críticas à China e os erros na correção das provas do Enem do ano passado. Mas o que tornou sua situação muito difícil no cargo foram suas declarações na reunião ministerial de 22 de abril, quando defendeu a prisão de juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) e os chamou de "vagabundos". 

    As ofensas levaram Weintraub a ser incluído no inquérito do Supremo que investiga a disseminação de notícias falsas e ofensas contra ministros da Corte. O ministro da Justiça, André Mendonça, recorreu de sua inclusão no inquérito, mas o STF rejeitou o pedido. 

    Extinção de cotas como último ato

    No último domingo (14), ainda no governo, Weintraub compareceu a uma manifestação em Brasília contra os ministros do Supremo, sendo criticado até mesmo por Bolsonaro. 

    Como uma de suas últimas medidas à frente do Ministério da Educação, ele extinguiu cotas para negros, pardos, indígenas e pessoas com deficiência em programas de pós-graduação em universidades e institutos federais.

    Mais:

    Weintraub participa de manifestação bolsonarista em Brasília
    Weintraub pode ser preso, diz jornal
    Bolsonaristas mandam recado para opositores do ministro da Educação: 'Não mexam com Weintraub'
    Tags:
    Jair Bolsonaro, governo, STF, fake news, investigação, Ministério da Educação, educação, Abraham Weintraub
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar