13:21 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Na quarta-feira (17), a Polícia Civil de São Paulo prendeu o sargento da Polícia Militar, Adriano Fernandes de Campos, acusado de participar da execução do adolescente negro Guilherme Silva Guedes, de 15 anos.

    Agora as autoridades buscam identificar um segundo suspeito da morte do jovem na Zona Sul da capital paulista.

    O diretor do Departamento de Homicídios, Fábio Pinheiro, disse à TV Record se tratar de uma "milícia". "É uma milícia [...]Quer dizer, ele quis dar uma recado para a região que quem entrasse no seu domínio ia ser morto, executado, independente de quem seja", explicou Pinheiro para a emissora.

    Segundo investigadores, câmeras de vigilância da Vila Clara, bairro onde Guilherme morava e foi abordado, indicam que mais pessoas estariam envolvidas no assassinato. A polícia busca identificar o homem que aparece em uma das imagens

    A empresa de segurança do sargento preso presta serviços de vigilância em um galpão que foi roubado no domingo (15). Adriano teria confundido Guilherme com um dos assaltantes.

    O advogado do sargento Adriano declarou que seu cliente é inocente. "Ele não tem participação alguma nesse crime", afirmou Renato Soares do Nascimento. "Assim que o DHPP juntar ao inquérito todos os elementos da investigação, o sargento Adriano vai se manifestar", completou.

    Mais:

    Rio de Janeiro e São Paulo têm manifestações antirracistas e contra Bolsonaro (FOTOS)
    Governo de São Paulo afasta mais 32 policiais que participaram da ação em Paraisópolis
    Tags:
    suspeitos, milícia, assassinada, Brasil, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar