01:51 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil e COVID-19 em meados de junho (41)
    390
    Nos siga no

    O número de mortos no Brasil pela COVID-19 ultrapassou o do Reino Unido nesta sexta-feira (12) e se tornou o segundo maior do mundo, com 41.828 óbitos, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

    A pasta informou ainda um total cumulativo de 828.810 casos confirmados do novo coronavírus, com 25.982 novas infecções nas últimas 24 horas e outras 909 mortes – os dados deixam o Brasil atrás apenas dos Estados Unidos (114 mil mortes).

    O número oficial é semelhante ao divulgado pelo consórcio de veículos de imprensa, que apontou para 41.901 mortes, com 843 óbitos nas últimas 24 horas, e 829.902 infecções, conforme informaram as secretarias estaduais de saúde.

    A perspectiva de superar os britânicos já era projetada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) horas antes. A entidade destacou que o Sistema Único de Saúde (SUS) do país está resistindo à pressão por novos leitos e mais atendimentos.

    "O sistema, como tal, a partir dos dados que vemos não está sobrecarregado", afirmou Mike Ryan, especialista em emergências da OMS, com poucas áreas do Brasil usando mais de 80% da capacidade de leitos de terapia intensiva de seus hospitais.
    Pacientes em hospital de campanha montado em ginásio da cidade de Santo André, na grande São Paulo, 9 de julho de 2020
    © AP Photo / Andre Penner
    Pacientes em hospital de campanha montado em ginásio da cidade de Santo André, na grande São Paulo, 9 de julho de 2020

    O Brasil claramente tem pontos críticos em cidades densamente povoadas, prosseguiu ele, mas no geral seu sistema de saúde está lidando com o segundo pior número de infecções do mundo.

    O Ministério da Saúde registrou mais de 1.200 mortes por dia no Brasil desde terça-feira (9), um pedágio crescente à medida que o país se move para aliviar as restrições de quarentena e reabrir negócios, uma medida pedida pelo presidente Jair Bolsonaro.

    Cético da doença, que chamou de "gripezinha", o mandatário acusou os governos estaduais de exagerar o número de infecções e mortes para miná-lo politicamente. Ele foi além e, na noite de quinta-feira (11), incentivou seus apoiadores a "encontrar uma maneira de entrar" nos hospitais para filmar se as camas da UTI estão ocupadas ou não, para fornecer imagens que a polícia e a agência de inteligência do Brasil poderiam investigar.

    Tema:
    Brasil e COVID-19 em meados de junho (41)

    Mais:

    Embaixador chinês: origem da COVID-19 não foi necessariamente na China, mas foi detectada lá antes
    Por que taxa de mortalidade da COVID-19 é dobro do previsto pelos cientistas? Confira razão
    Ministério da Saúde cria nova plataforma para acompanhamento dos casos de COVID-19 no Brasil
    Tags:
    Jair Bolsonaro, saúde, novo coronavírus, COVID-19, Ministério da Saúde, OMS, Reino Unido, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar