05:27 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3153
    Nos siga no

    O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, teve o sigilo bancário de seu escritório de advocacia e de sua mãe, Diva Carvalho de Aquino, quebrados por decisão da 5ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo.

    Por meio de inquérito da Promotoria do Patrimônio Público de São Paulo, que apura um possível enriquecimento ilícito de Salles durante seu período como secretário de governo de Geraldo Alckmin (PSDB), foi descoberto que o hoje ministro do Meio Ambiente movimentou R$ 2,8 milhões da conta de seu escritório de advocacia, o Carvalho de Aquino e Salles Advogados. O movimento do dinheiro aconteceu em 58 transações entre 2012 e 2017, informa o G1. 

    Para o Ministério Público, as cifras movimentadas são incompatíveis com as declarações de imposto de renda de Salles.

    "Todos os dados estão à disposição da Justiça. A apuração irá mostrar que não há nada irregular", afirmou Salles em nota obtida pelo G1. 

    Salles já foi condenado em primeira instância, em 2018, por irregularidades na elaboração de um plano de manejo da Área de Proteção Ambiental Várzea do Rio Tietê. Em 2020, a 1ª Câmara Reservada do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu efeito suspensivo ao recurso de apelação de Salles, informa o Consultor Jurídico.

    Mais:

    Desmatamento da Amazônia bate recorde e destrói área do tamanho do Líbano
    Ministério da Justiça autoriza uso da Força Nacional na Amazônia Legal
    Como um duplo ataque aos pulmões pode afetar a população da Amazônia Legal nos próximos meses?
    Embaixador alemão alerta que, sem queda na destruição da Amazônia, acordo UE-Mercosul não deve sair
    Ambientalista: Forças Armadas são importantes na Amazônia, mas entrosamento deixa a desejar
    Tags:
    desmatamento, meio ambiente, justiça, Ricardo Salles
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar