03:54 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    O Brasil entrou na lista dos 20 principais países em um ranking mundial de startups, subindo 17 posições.

    O levantamento foi realizado pela empresa StartupBlink, que analisou mil empresas em 100 cidades de todo o mundo, levando em conta o ecossistema no ramo de inovações, bem como a atuação de instituições de apoio ao empreendedorismo e o ambiente de negócios, informou Agência Brasil.

    Os países mais bem colocados no ranking foram Estados Unidos, Reino Unido, Israel, Canadá e Alemanha. De acordo com o estudo, os EUA seguem liderando o setor com folga. Holanda, Austrália, Suíça, Espanha e Suécia também figuram entre os 10 primeiros colocados.

    Além do Brasil, Cingapura também ganhou posições e entrou no ranking, ocupando a 16ª posição. O Brasil ficou na melhor colocação da América Latina, a frente de Argentina (40ª), México (41ª) e Colômbia (46ª).

    O Brasil teve melhor desempenho nos critérios de qualidade das startups e ambiente de negócios. Mas na quantidade, ainda fica bastante atrás dos países mais bem colocados.

    "Considerando o vasto potencial do mercado brasileiro e a população de mais de 200 milhões de pessoas, o ecossistema de tecnologia tem todas as condições para um rápido crescimento. Isso é evidenciado pelo crescente número de unicórnios [empresas com valor de mercado de mais de US$ 1 bilhão, ou R$ 4,9 bilhões]", avaliam os autores do estudo, citados pela Agência Brasil.

    A pesquisa revela que São Paulo é o principal centro de inovação no país, ficando na 18ª posição no ranking por cidades. Além da capital paulista, Rio de Janeiro (93ª posição), Belo Horizonte (101ª posição) e Curitiba (183ª posição) também aparecem na lista.

    Mais:

    Portugal e Brasil assinam acordo para fortalecer setor de inovação
    Falta de inovação no Brasil não é problema financeiro, diz especialista
    Inovação a todo vapor: сomo BRICS planeja promover economia digital?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar