18:27 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    225
    Nos siga no

    Após decisão do juiz Rodrigo Galvão Medina, estão proibidas manifestações de grupos políticos "antagônicos entre si" no mesmo local e horário em São Paulo no domingo (7).

    A decisão foi publicada na sexta-feira (5) e tem como objetivo evitar confrontos entre grupos políticos. Há pelo menos três manifestações marcadas para o domingo (7) na Avenida Paulista, em São Paulo, contra e a favor do governo do presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

    A decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo é fruto de um requerimento da Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo e cita diversos grupos de direita e esquerda que seriam impedidos de promover manifestações.

    Grupo de torcedores em favor da democracia protestam na Avenida Paulista, em São Paulo, 31 de maio de 2020
    © AFP 2020 / Nelson Almeida
    Grupo de torcedores em favor da democracia protestam na Avenida Paulista, em São Paulo, 31 de maio de 2020

    Segundo publicou o jornal Folha de São Paulo, os principais grupos de apoio a Bolsonaro não participarão dos protestos e apenas grupos menores devem marcar presença na Avenida Paulista, a partir das 11h00. Já os grupos de oposição ao governo têm uma manifestação marcada para começar às 14h00. O movimento negro também organiza a manifestação "Vidas Negras Importam", marcada para ocorrer às 10h00 também na Avenida Paulista.

    A proibição proferida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo repercute confrontos ocorridos na manifestação do domingo (31), quando grupos a favor e contra Bolsonaro se encontraram na Avenida Paulista e houve provocações e enfrentamento entre manifestantes e a polícia.

    Mais:

    Bolsonaro chama manifestantes antifascistas no Brasil de 'terroristas'
    Manifesto em defesa da democracia cita Diretas Já e reúne FHC, Haddad, Huck e Flávio Dino
    SP, RJ e MG têm manifestações contra Bolsonaro e a favor da democracia (VÍDEOS, FOTOS)
    Tags:
    Jair Bolsonaro, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar