06:43 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 no início de junho (52)
    3205
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (3), o Brasil registrou um recorde de 1.349 mortes causadas pelo novo coronavírus, chegando a 32.548 óbitos desde o início da pandemia.

    O número de casos do novo coronavírus chegou a 584.016 com o registro de 28.633 casos nas últimas 24h. Ainda segundo os dados do Ministério da Saúde, há 312.851 pacientes sendo tratados da doença e 238.617 pessoas já foram curadas.

    Na terça-feira (2), o Brasil registrava 31.199 mortes no total e 555.383 casos confirmados da COVID-19.

    Funcionários do cemitério de São João Batista carregam caixão de vítima de COVID-19, no Rio de Janeiro, em 28 de maio de 2020
    © REUTERS / Pilar Olivares
    Funcionários do cemitério de São João Batista carregam caixão de vítima de COVID-19, no Rio de Janeiro, em 28 de maio de 2020

    Com a atualização de hoje, o Brasil segue como o segundo país do mundo em número de casos e como o quarto país do mundo em número de mortes causadas pelo novo coronavírus, atrás de Estados Unidos, Reino Unido e Itália. O Brasil, porém, está cada vez mais próximo da Itália em número de mortes, que hoje tem 33.601 óbitos registrados, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

    Os estados brasileiros mais afetados pela pandemia seguem sendo São Paulo e Rio de Janeiro. São Paulo tem 123.483 casos confirmados e 8.276 mortes. O Rio de Janeiro tem 59.240 casos e 6.010 mortes. Logo após vêm: Ceará, com 56.056 casos e 3.605 mortes; Pará, com 44.774 casos e 3.193 mortes; e Amazonas, com 44.347 casos e 2.138 mortes.

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 no início de junho (52)

    Mais:

    Brasil inicia testes com possível vacina contra COVID-19 desenvolvida em Oxford
    Bolsonaro chama manifestantes antifascistas no Brasil de 'terroristas'
    Brasil tem recorde de mortes diárias e passa de 30 mil óbitos por COVID-19
    Tags:
    COVID-19, Ministério da Saúde, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar