14:05 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2310
    Nos siga no

    Com a desistência da compra Embraer pela Boeing, diversas empresas do mundo teriam demonstrado interesse no negócio. Para discutir o assunto, a Sputnik Brasil ouviu o economista Marcos José Barbieri Ferreira, que afirmou que o governo do Brasil precisa agir para proteger a empresa brasileira.

    Ao longo da semana passada, circularam especulações de que empresas como a chinesa Comac, a russa Irkut e também uma empresa indiana do setor de aviação estariam rondando a Embraer após o rompimento do acordo de venda para a Boeing. Os rumores chegaram a impulsionar as ações da empresa brasileira na Bolsa de Valores na sexta-feira (29), quando os papéis da Embraer se valorizaram em mais de 15%, mesmo em um momento de crise.

    Para o economista e professor da Unicamp, Marcos José Barbieri Ferreira, especialista em aviação comercial e Defesa, uma eventual manifestação de interesse na Embraer seria esperado devido ao sucesso da empresa.

    "É uma empresa que procurou avançar, uma empresa que conquistou uma grande competência tecnológica e que se inseriu de maneira muito competitiva no mercado internacional", explica o economista em entrevista à Spuntik Brasil.

    A Embraer é uma das empresas de aviação mais importantes do mundo e tem atuação destacada no setor de aviação civil com aviões de porte médio, sendo a terceira maior exportadora de aviões comerciais no planeta, conforme aponta o professor Barbieri.

    A empresa também tem atuação no setor militar, a exemplo do avião KC-390, um cargueiro tido como capaz de competir no mercado internacional com as principais empresas de aviação do mundo.

    "Essa conquista que a Embraer teve juntamente com a atuação dela diversificada na área de Defesa, na área de jatos executivos, faz com que a empresa desperte um grande interesse em âmbito mundial", avalia o especialista em aviação comercial e Defesa.

    As especulações em torno da Embraer apontam que haveria interesses vindo principalmente de empresas de países dos BRICS. O economista Marcos Barbieri Ferreira explica as possíveis razões do suposto interesse.

    "A Embraer tem uma competência na área de aviação comercial muito superior a qualquer uma dessas empresas. A competência que a Embraer teve de estruturar um modelo de negócios exitoso na área comercial, também a competência que a Embraer vem demonstrando na área de aviação executiva, é muito superior à de qualquer uma das empresas aeronáuticas dos demais países que compõem o BRICS", afirma.
    Aeronave brasileira Embraer 195-E2 Profit Hunter no Salão Aeroespacial Internacional MAKS-2019, nos arredores de Moscou
    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Aeronave brasileira Embraer 195-E2 Profit Hunter no Salão Aeroespacial Internacional MAKS-2019, nos arredores de Moscou

    Especulação mostra que Embraer precisa de proteção

    O professor da Unicamp ressalta que as empresas de aviação da Rússia e da China mantêm uma tradição na área de Defesa, mas do ponto de vista da aviação civil, a Embraer está "muito à frente dessas empresas". O economista, no entanto, ressalta que o possível interesse estrangeiro por enquanto não passa de especulação.

    "Esse interesse dessas empresas, que está sendo noticiado, é muito mais no âmbito especulativo do que no âmbito de uma ação concreta por parte dessas empresas", diz.
    Imagem do modelo E195-E2, da mais nova geração da empresa brasileira de aviação Embraer
    © Foto / Divulgação / Facebook Embraer
    Imagem do modelo E195-E2, da mais nova geração da empresa brasileira de aviação Embraer

    O professor explica que a especulação em torno da empresa é fruto do negócio que fracassou com a Boeing. Para ele, a Embraer sinalizou ao mercado a intenção de venda, o que somado ao avanço da crise econômica internacional em meio à pandemia da COVID-19, alimenta uma possível crença de que a empresa ainda pretende vender parte de seus negócios.

    "Nesse sentido é fundamental que a empresa brasileira se coloque perante o mercado mundial, com o apoio e suporte do governo brasileiro, afastando qualquer possibilidade de uma nova operação desse tipo [venda para a Boeing], que era o desmonte da empresa brasileira", avalia o especialista.

    O economista acrescenta que em sua opinião o negócio com a Boeing representaria "praticamente a extinção" da Embraer e que a possibilidade de negócio semelhante deve ser afastada. O professor, porém, não descarta a importância de parcerias para o desenvolvimento da empresa.

    Mais:

    Fim de acordo 'Boeing-Embraer' é bem-vindo e suporte público será importante, diz economista
    Após fracasso com a Boeing, Embraer entra no radar de China, Índia e Rússia, dizem fontes
    Embraer tem prejuízo milionário no 1º trimestre de 2020 devido à pandemia da COVID-19
    Tags:
    COMAC, Embraer, Irkut
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar