09:32 07 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3131
    Nos siga no

    A operação conduzida pela Polícia Federal (PF) nesta semana contra uma suposta rede de notícias falsas (fake news) pode dar fôlego a duas ações que correm no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a chapa do presidente Jair Bolsonaro e do vice Hamilton Mourão.

    Sob ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), agentes da PF cumpriram mandados de busca e apreensão de vários apoiadores de Bolsonaro, incluindo empresários que são suspeitos pelo financiamento do envio de mensagens em massa e impulsionamento de notícias falsas nas redes sociais.

    De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o compartilhamento de informações do STF com o TSE poderá dar musculatura às duas ações em tramitação na Corte eleitoral, que passou recentemente a ter o ministro Luís Roberto Barroso como seu presidente. E ele indicou que quer dar um andamento ágil aos processos, apresentados por PT e PDT.

    A base do pedido de cassação da chapa Bolsonaro-Mourão envolve uma denúncia de 2018, na qual a Folha revelou uma rede bolsonarista que fomentava os disparos em massa de centenas de milhões de mensagens, atitude proibida pela Justiça Eleitoral. O esquema não consta na prestação de contas e pode configurar o crime de caixa 2.

    As investigações podem desvendar não só a atual rede de propagação de notícias falsas que opera a favor de Bolsonaro nas redes sociais – seriam saídas do chamado Gabinete do Ódio –, como também ajudar a entender o funcionamento da operação durante as eleições de 2018, segundo a publicação.

    Agentes da Polícia Federal cumprem mandados de busca e apreensão no inquérito das fake news
    © REUTERS / Adriano Machado
    Agentes da Polícia Federal cumprem mandados de busca e apreensão no inquérito das fake news

    As informações financeiras colhidas pela PF no inquérito que corre no STF datam de 2018, a pedido de Moraes, que é o relator do inquérito no Supremo. Tanto neste Corte quanto no TSE, o empresário Luciano Hang (também alvo da PF nesta semana) é citado como um dos financiadores das notícias falsas contra adversários de Bolsonaro.

    O inquérito que corre no STF é cercado por polêmica desde o início. Instaurado em 2019 sem solicitação da Procuradoria-Geral da República (PGR), ele foi alvo de críticas por conta do princípio de que quem julga não pode também atuar como acusação. Contudo, um regimento do Supremo permite ao presidente abrir o inquérito e indicar outro ministro para relatar.

    O procurador-geral da República, Augusto Aras, já pediu a suspensão do inquérito que corre no STF justamente por esse motivo – uma mudança de posição, já que no fim do ano passado ele se declarou favorável ao prosseguimento das apurações.

    Ausentes da operação da PF, os filhos de Bolsonaro – o vereador Carlos Bolsonaro e o deputado federal Eduardo Bolsonaro – também são suspeitos de envolvimento na rede.

    Mais:

    Bolsonaro cercou-se de militares porque é só isso que ele conhece, diz analista
    Datafolha: Bolsonaro tem reprovação recorde de 43% e aprovação de 33%
    'O Deus de Bolsonaro é o Deus da morte', diz Leonardo Boff
    Tags:
    política, Procuradoria-Geral da República (PGR), Antonio Hamilton Mourão, Eduardo Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, Jair Bolsonaro, corrupção, fake news, Caixa 2, cassação, impeachment, Justiça Eleitoral, TSE, Supremo Tribunal Federal (STF), Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar