09:34 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (63)
    120
    Nos siga no

    O Brasil eliminou cinco milhões de empregos no primeiro trimestre, uma vez que a maior economia da América Latina sentiu os primeiros efeitos do choque econômico causado pela pandemia do novo coronavírus, mostraram números nesta quinta-feira (28).

    O desemprego subiu para 12,6%, um aumento de 1,4% em relação ao trimestre anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Estatística (IBGE).

    "Um indicador que reflete os efeitos da pandemia da COVID-19 no mercado de trabalho - a população ativa - registrou uma queda recorde de 5,2% em relação ao trimestre encerrado em janeiro, representando a perda de 4,9 milhões de empregos", informou o instituto em comunicado.

    O setor mais atingido foi o comércio, que sofreu uma perda de 1,2 milhão de empregos. O setor de construção perdeu 885 mil empregos durante a paralisação e os serviços domésticos também foram gravemente atingidos, com 727 mil pessoas perdendo seus empregos.

    O instituto destacou que quase 13 milhões de pessoas estão procurando trabalho no país, mas notou outros cinco milhões de pessoas sem trabalho que desistiram de procurar emprego durante o último trimestre.

    Pessoas observam ofertas de emprego na rua Barão de Itapetininga no centro de São Paulo.
    © Folhapress / Danilo Verpa
    Pessoas observam ofertas de emprego na rua Barão de Itapetininga no centro de São Paulo.
    "São pessoas que, por exemplo, não estão mais procurando emprego porque não possuem qualificações suficientes, porque são consideradas jovens ou velhas demais ou porque não há trabalho para elas na localidade", segundo Adriana Beringuy, analista do IBGE. "Esta categoria aumentou muito."

    Dezenas de milhões de brasileiros estão confinados em casa desde o final de março como parte de medidas para conter a disseminação do novo coronavírus.

    Especialistas internacionais em saúde expressaram preocupação esta semana que o surto ainda esteja se acelerando no Brasil. O país agora tem mais de 411 mil casos confirmados, perdendo apenas para os Estados Unidos.

    O número oficial de mortos pelo novo coronavírus no Brasil ultrapassou 25 mil na quarta-feira (27), com o país de 210 milhões emergindo como o novo epicentro da pandemia global.

    As perspectivas econômicas são sombrias. O governo do presidente Jair Bolsonaro prevê uma queda de 4,7% no PIB este ano, o que representaria a pior recessão nos tempos modernos.

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (63)

    Mais:

    COVID-19 no Brasil: 39% dos empregadores dispensaram diaristas sem pagamento durante pandemia
    Maior ação desde a 2ª Guerra Mundial: Brasil emprega 29 mil militares contra a COVID-19
    Brasil corre risco de 'convulsão político-social' se não criar empregos, diz especialista
    Tags:
    Jair Bolsonaro, novo coronavírus, COVID-19, comércio, economia, IBGE, empregos formais, desemprego, emprego, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar