11:16 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4273
    Nos siga no

    A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu não federalizar a investigação que apura quem foi o mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, ocorrido no Rio de Janeiro, em março de 2018.

    Com a determinação desta quarta-feira (27), o caso permanecerá sob a responsabilidade das autoridades fluminenses, não passando, portanto, para a Polícia Federal e a Justiça Federal, como defendiam os advogados dos supostos executores, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, atualmente presos. 

    ​O pedido para mudar a jurisdição do caso foi feito em setembro passado pela então procuradora-geral da República Raquel Dodge, que reclamou da "inércia" dos investigadores da Delegacia de Homicídios do Rio para apurar os fatos.

    Contrária à federalização, a família de Marielle lutou ativamente pela manutenção das investigações na esfera estadual. Entre os motivos alegados para tal estariam a possibilidade de uma demora ainda maior para a elucidação do crime e o receio de uma interferência do presidente Jair Bolsonaro nos trabalhos da PF, como denunciado pelo ex-ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública). 

    Na votação desta quarta-feira (27), em Brasília, todos os oito ministros presentes se posicionaram contra a federalização, por entenderem não haver motivos suficientes para a Polícia Federal e a Justiça Federal assumirem a investigação que apura quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes.

    Mais:

    Bolsonaro nega envolvimento em caso Marielle e critica vazamento (VÍDEO)
    Caso Marielle: Moro defende Bolsonaro e fala em 'fraude' para envolver nome do presidente
    Investigado por envolvimento em assassinato de Marielle, miliciano é morto em tiroteio
    Marielle, 2 anos e poucas respostas: 'Tempo demais de espera'
    Tags:
    justiça, Rio de Janeiro, assassinato, STJ, Élcio Vieira de Queiroz, Ronnie Lessa, Marielle Franco, Anderson Gomes, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar