05:07 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1112
    Nos siga no

    A Polícia Federal (PF) cumpre nesta quarta-feira (27) ordens judiciais do inquérito das fake news do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

    São 29 mandados de busca e apreensão, informa a PF. As ordens judiciais ocorrem no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.

    A PF não divulgou a lista completa dos alvos, mas informações publicadas pela imprensa indicam que os nomes são ligados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). 

    O ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), antigo delator do mensalão e aliado recente de Bolsonaro, está entre os alvos. Jefferson publicou em seu Twitter que teve seu computador e armas apreendidas e comparou a situação à Alemanha nazista.

    De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a operação também teve como alvo os seguintes nomes: o empresário Luciano Hang (dono da Havan), assessores do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), o blogueiro Allan dos Santos, a ativista Sara Winter, o empresário Edgard Corona (CEO das redes de academias Bio Ritmo e Smart Fit), o investidor Otávio Fakhoury e o humorista Rey Bianchi.

    Ainda de acordo com a Folha de S. Paulo, os seguintes deputados federais deverão ser ouvidos nos próximos dez dias: Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Daniel Lúcio da Silveira (PSL-RJ), Filipe Barros (PSL-PR), Junio do Amaral (PSL-MG), Luiz Phillipe Orleans e Bragança (PSL-SP), além dos deputados estaduais Douglas Garcia (PSL-SP) e Gil Diniz (PSL-SP).

    Os congressistas não foram alvo da operação de busca e apreensão.

    Mais:

    Celso de Mello nega acesso de Flávio Bolsonaro a depoimento de Paulo Marinho
    Chanceler da Venezuela rebate Araújo e diz que Bolsonaro comete genocídio no Brasil
    Secretário de ministério contraria Bolsonaro sobre imunidade de rebanho para combater COVID-19
    Bolsonaro garante que haverá outras operações da PF no Brasil, após caso contra Witzel
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Supremo Tribunal Federal, Polícia Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar