09:24 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1132
    Nos siga no

    O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta segunda-feira (25) impor sigilo no depoimento que será prestado pelo empresário Paulo Marinho.

    Celso de Mello também negou o pedido do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) para acompanhar pessoalmente o depoimento, além de ter acesso depois à sua transcrição.

    Na decisão, citada pelo jornal Folha de S.Paulo, Celso de Mello afirmou que o inquérito policial, "em face de sua unilateralidade e consequente caráter inquisitivo, não permite que, nele, se instaure o regime de contraditório".

    O empresário será ouvido nesta terça-feira (26), na Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio de Janeiro, no inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na PF.

    Em entrevista, Paulo Marinho disse que Flávio Bolsonaro foi avisado com antecedência por um delegado da PF sobre a deflagração da Operação Furna da Onça. A defesa de Flávio Bolsonaro nega a acusação.

    Mais:

    Flávio Bolsonaro nega ter recebido informação privilegiada sobre operação contra Queiroz
    MPF abre investigação para apurar vazamento de informações da PF a Flávio Bolsonaro
    Deputada aliada de Bolsonaro antecipou que haveria operações da PF contra governadores
    Polícia Federal está no Palácio Laranjeiras para investigações no Rio (VÍDEO)
    Witzel nega participação em crimes e diz que interferência de Bolsonaro está 'oficializada'
    Tags:
    interferência, Polícia Federal - PF, Flávio Bolsonaro, STF, Celso de Mello
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar