23:29 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (42)
    0 70
    Nos siga no

    O diretor do programa de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, declarou nesta sexta-feira (22) que a América do Sul se tornou o novo epicentro da pandemia de COVID-19.

    O diretor da organização observou que as maiores taxas de ataque da COVID-19 em termos de proporção se encontram no Amazonas, que registrou 490 pessoas infectadas para cada 100 mil habitantes.

    "De certa forma, a América do Sul se tornou um novo epicentro para a doença, vimos muitos países sul-americanos com aumento do número de casos, e claramente há preocupação em muitos desses países, mas certamente o mais afetado é o Brasil neste momento", disse Michael Ryan.

    Na última quinta-feira (21), o Brasil registrou um recorde de mortes diárias, chegando a 1.188 mortes em 24 horas. O número total de óbitos por conta do coronavírus no país passou de 20 mil pessoas.

    De acordo com a OMS, a "maioria dos casos é da região de São Paulo, mas também Rio de Janeiro, Ceará, Amazonas, Pernambuco estão sendo afetados".

    "Mas em termos de taxas de ataque, as mais altas estão, na verdade, no Amazonas: cerca de 490 pessoas infectadas para cada 100 mil habitantes, que é uma taxa de ataque bem alta", afirmou Ryan, citado pelo G1.

    Michael Ryan também destacou que as "previsões clínicas sistemáticas atuais realizadas pela Organização Pan-Americana de Saúde [Opas] e a evidência clínica atual não apoiam o uso generalizado de hidroxicloroquina para o tratamento da COVID-19".

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (42)

    Mais:

    Teste de vacina para COVID-19 produz resposta imunológica 'imediata' em camundongos
    Maior estudo já feito sobre cloroquina não encontra benefício no combate à COVID-19
    Divisão na administração Trump explicaria desempenho dos EUA com COVID-19
    Tags:
    OMS, pandemia, COVID-19, epicentro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar