03:07 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil luta com pandemia em meados de maio (78)
    172
    Nos siga no

    O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que enxerga o Ministério da Saúde do governo Jair Bolsonaro como uma pasta sem rumo, e alertou que o alardeado uso da cloroquina traz sérios riscos para a vida das pessoas infectadas pela doença.

    De acordo com o ex-ministro, o alto número de infectados e mortos no Brasil até o momento é apenas o primeiro terço daquilo que o ministério havia previsto quando ele ainda estava no comando da pasta, indicando que o pico ainda não chegou.

    "Disse uma vez que teríamos 20 semanas muito duras pela frente. Esses dois meses que passaram são 8 semanas. Para as outras 12, são mais 3 meses. Os primeiros casos que foram pegar a escala de transmissão aumentada e depois desorganizada ocorreram em abril, em Manaus e Fortaleza. Iríamos aumentar [a curva de disseminação] em abril, maio, junho. Em julho vamos estabilizar, quando deve ser o ápice da curva, e aí vai entrar em um platô para que, em agosto, comece a reduzir o número de casos e setembro a gente volte no ponto mais próximo de uma coisa mais amena. Estamos vivendo o primeiro terço disso, temos o segundo e o terceiro para concluir", declarou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

    À publicação, Mandetta mencionou e criticou Bolsonaro em diversos momentos, ainda que de forma velada. Ele afirmou que o governo já sabia da gravidade da pandemia do novo coronavírus desde janeiro, mas que havia pouca preocupação para o que viria a seguir.

    "No começo não era uma grande pauta da sociedade, mas a gente fazia boletim todos os dias. A primeira sensação que tive era que o governo não estava tão interessado no assunto e não estava dando a devida dimensão. Só quando estávamos com vírus e casos acontecendo, na segunda quinzena de março, é que perceberam que a sociedade inteira estava muito ligada no Ministério da Saúde como principal ponto de referência", explicou.

    Nelson Teich (à esq.), cumprimenta o ex-ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta
    © AP Photo / Andre Borges
    Nelson Teich (à esq.), cumprimenta o ex-ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta
    "Nisso, governadores e prefeitos começaram a tomar medidas de redução de mobilidade nos grandes centros. Uma discussão feita no sistema de saúde havia quase 60 dias. Quando começam essas medidas e o presidente começa a fazer uma leitura diametralmente contrária ao discutido no SUS, ficou difícil. É difícil coordenar um sistema como ministro se o presidente dá outra mensagem", acrescentou.

    Além de garantir que "nada do que está acontecendo hoje é surpresa para o governo federal", Mandetta comentou que a saída do seu sucessor, Nelson Teich, que deixou o ministério na semana passada, possivelmente está vinculada à insistência de Bolsonaro no uso da cloroquina para casos de COVID-19, embora não existam estudos que comprovem a eficácia da substância.

    "O que o presidente quer é que o ministério faça como se fosse uma prescrição, para que em todas as unidades de saúde, mesmo sem confirmação da COVID-19, seja entregue a cloroquina. Tudo baseado nessa coisa de que um médico falou: 'acho que é bom'. Mas ninguém colocou no papel, ninguém demonstrou. A [médica Nise] Yamaguchi é uma que, quando você pergunta 'onde está escrito isso?', fala: 'é a minha impressão' [...] Para mim foi isso que fez com que o Teich falasse: 'Não vou assinar isso. Vai morrer gente e ficar na minha nota'", pontuou.

    Tema:
    Brasil luta com pandemia em meados de maio (78)

    Mais:

    Demissão de Mandetta é reprovada por 64% dos brasileiros, diz Datafolha
    Moro e Mandetta poderiam formar chapa presidencial em 2022?
    'Mês perdido': Mandetta e outros políticos repercutem sobre saída de Teich
    Tags:
    SUS, pandemia, saúde, Ministério da Saúde, COVID-19, novo coronavírus, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar