23:39 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2137
    Nos siga no

    O Rainforest Fund, uma organização não-governamental sediada nos EUA e co-fundada pelo cantor britânico Sting, condenou a decisão do presidente Jair Bolsonaro de enviar tropas para Amazônia, dizendo que militares não têm os conhecimentos necessários para prevenir incêndios florestais.

    Na semana passada, Bolsonaro autorizou o envio de Forças Armadas na tentativa de impedir a destruição da Floresta Amazônica. Sob a ordem presidencial, os militares agora têm autoridade para coordenar as atividades do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

    "Bolsonaro é inflexível em abrir a Amazônia aos negócios, pois encoraja madeireiros, mineiros e fazendeiros ilegais a ocupar a floresta de acordo com sua política pró-desenvolvimento. Enviar os militares para parar os incêndios é o primeiro passo [...] para afastar o Ibama", declarou a presidente do conselho da ONG, Franca Sciuto, à Sputnik.

    "Ele [Bolsonaro] está revertendo a fiscalização ambiental de rotina, sem conceder financiamento. De fato, ele assinou uma ordem que concede aos militares a coordenação das atividades do Ibama. É claro que ele está seguindo seus planos de desenvolvimento, estabelecendo uma rede para seu sucesso. Mas esperamos que ele seja detido antes", acrescentou.

    Em vez de enviar os militares para a Amazônia, Bolsonaro precisa liberar mais fundos para as agências ambientais do país e "deixar a polícia ambiental fazer o seu trabalho", observou a ativista.

    Índio yanomami acompanha agente do Ibama em operação contra a mineração ilegal no setor de Roraima da Amazônia
    © REUTERS / Bruno Kelly / File Photo
    Índio yanomami acompanha agente do Ibama em operação contra a mineração ilegal no setor de Roraima da Amazônia
    "O futuro para as comunidades indígenas da região amazônica é sombrio e precisa de todo o apoio da opinião pública brasileira e da comunidade internacional. A questão não é puramente de policiamento, mas precisa de uma estratégia muito mais ampla que analise os incentivos ao policiamento público que promovam desmatamento e envolve atores econômicos e da sociedade civil, especialmente comunidades locais, na busca e implementação de soluções de longo prazo para detê-lo", prosseguiu Sciuto.

    Bolsonaro tem sido constantemente criticado por ativistas ambientais em todo o mundo pelo manejo inadequado dos incêndios florestais na Amazônia no ano passado e por suas tentativas de privar a comunidade indígena brasileira de suas terras na região.

    Em 29 de abril, um projeto do Greenpeace, o Unearthed, informou que o governo Bolsonaro estava usando o surto de COVID-19 como uma distração para aprovar leis que oferecem anistia em terras apreendidas e desmatadas e reduzir a proteção oferecida aos povos indígenas.

    Mais:

    Grupos indígenas de 9 países da Amazônia criam fundo internacional contra coronavírus
    Melhores fotos da semana em que índios da Amazônia se previnem da COVID-19
    Ecologista brasileiro alerta: Amazônia pode ser próximo epicentro de novos vírus
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19, Jair Bolsonaro, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), incêndios florestais, desmatamento, Ministério do Meio Ambiente, meio ambiente, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar