06:10 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil luta com pandemia em meados de maio (78)
    4413
    Nos siga no

    O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira (12) que já chegam a 12.400 as mortes pelo novo coronavírus no Brasil, segundo o mais recente boletim da pasta, depois de mais um recorde negativo ter sido registrado: 881 óbitos nas últimas 24 horas.

    O número pode ser ainda maior, uma vez que ao menos 2.050 falecimentos suspeitos estão sendo investigados, conforme informou o ministério. O recorde negativo divulgado nesta terça-feira inclui 206 mortes ocorridas nos últimos três dias.

    Já o número de casos registrados atingiu o patamar de 177.589 (eram 168.331 infectados na segunda-feira (12)), o que fez com que o país ultrapassasse a Alemanha (173.042) em quantidade de pessoas confirmadas com a doença desde o início da pandemia.

    Com a linha ascendente atual, o Brasil pode nesta quarta-feira (13) ultrapassar outro país europeu, a França (178.349 casos), ficando atrás apenas de Estados Unidos, Rússia, Espanha, Reino Unido e Itália, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

    O balanço ainda traz algumas informações positivas, como a do número de pessoas que foram infectadas pela COVID-19 e se recuperaram (72.597, ou 40,9% do total), com outros 92.593 pacientes em acompanhamento (52,1% dos casos).

    O Ministério da Saúde também revelou que foram processados 337.595 testes de coronavírus em laboratórios credenciados pelo país, um crescimento substancial em relação aos 181 mil testes que já havia sido feitos até 22 de abril, último dia em que a pasta divulgou esses números.

    Outros 95.144 testes estão sendo analisados neste momento, enquanto outros 50.004 aguardam em uma fila de espera.

    Tema:
    Brasil luta com pandemia em meados de maio (78)

    Mais:

    Parente próximo ao SARS-CoV-2 encontrado em morcegos indicia sua origem natural
    Analista: economia brasileira não tem como se beneficiar de crise da COVID-19
    Ministério da Economia: auxílio emergencial não pode ser permanente
    Tags:
    Universidade Johns Hopkins, pandemia, Jair Bolsonaro, saúde, Ministério da Saúde, novo coronavírus, COVID-19, França, Alemanha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar