14:34 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    234
    Nos siga no

    O governo do presidente Jair Bolsonaro pediu nesta sexta-feira (8) que seja reconsiderada a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem, para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

    No documento encaminhado pela Advocacia-Geral da União (AGU) ao Supremo, o governo diz que apesar de ter tornado o ato de nomeação de Ramagem sem efeito, a ação apresentada pelo PDT, não perdeu o objeto e, portanto, ainda pode ser discutida pelo plenário do Supremo.

    "Ressalta-se, porém, que nem o primeiro ato (decreto que tornou sem efeito a nomeação do Sr. Alexandre Ramagem), nem este (nomeação do Sr. Rolando de Souza) significam o perecimento do objeto do mandamus, pois ainda pretende o excelentíssimo senhor presidente da República ver restabelecida a sua prerrogativa constitucional de indicar o diretor-geral da Polícia Federal sem a restrição outrora imposta", afirma a manifestação, citada pela agência Reuters.

    Na decisão tomada na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes disse que há indícios de que a nomeação de Ramagem não respeitava os princípios da legalidade, moralidade e impessoalidade, o que configura desvio de finalidade. Alexandre Ramagem é amigo da família do presidente Bolsonaro.

    A decisão de Moraes foi tomada com base no pronunciamento do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que afirmou que Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal.

    Mais:

    Moro diz que Bolsonaro pediu PF no Rio: 'Você tem 27 superintendências, eu quero apenas 1'
    Bolsonaro diz que 'não engoliu' veto de Moraes ao seu indicado para PF
    Subordinado de Ramagem é o escolhido de Bolsonaro para dirigir a Polícia Federal
    PGR pede novas diligências em inquérito sobre interferência na PF
    Diretor-geral da Polícia Federal escolhe Tácio Muzzi para superintendência do RJ
    Tags:
    Supremo Tribunal Federal (STF), Advocacia-Geral da União, Polícia Federal, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar