00:24 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil no combate ao coronavírus no início de maio (66)
    270
    Nos siga no

    Os primeiros 500 respiradores que o governo de São Paulo comprou da China e que chegariam no último sábado (2) ficaram bloqueados no aeroporto de Pequim.

    O bloqueio foi feito porque, segundo publicado pelo jornal Folha de S.Paulo, o governo chinês decidiu limitar a 150 o número de itens de cada mercadoria que pode ser embarcada nos aviões para exportação para que outros produtos hospitalares, e não apenas respiradores, possam ser entregues em outros países com velocidade.

    O governo de São Paulo tinha comprado 3 mil respiradores que seriam transportados em levas de 500 por vez. Wilson Mello, presidente da InvesteSP, empresa do governo responsável pela operação, disse que foi necessário mudar a papelada para que pelo menos os primeiros 150 respiradores cheguem a São Paulo nos próximos dias.

    "Não durmo há 15 dias", disse Mello. "Vivemos uma loucura na logística global em que nada funciona como antes. Há restrição de contêineres e aviões, há muito menos voos entre os países", completou.

    A InvesteSP estuda embarcar cada lote de 150 da China em aviões que vão para diferentes países e, depois, de cada um deles para o Brasil. Outra opção é fretar aviões para ir à China buscar a mercadoria.

    Segundo o governo de São Paulo, é imprescindível que todos os respiradores cheguem ao estado até o fim de maio porque, sem os equipamentos, não é possível ampliar os leitos para pacientes graves de COVID-19.

    Tema:
    Brasil no combate ao coronavírus no início de maio (66)

    Mais:

    'Apesar de ruídos', embaixador diz que China está pronta para aumentar cooperação com Brasil
    Coronavírus: Embraer ajuda com peças para respiradores no combate à COVID-19
    Doria anuncia abertura gradual da economia em SP a partir de 11 de maio
    Após 'e daí' de Bolsonaro, Doria o convida a visitar SP: 'Veja a realidade do seu país'
    Tags:
    China, São Paulo, pandemia, novo coronavírus, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar