07:55 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil no combate ao coronavírus no início de maio (66)
    599
    Nos siga no

    Enfermeiros e técnicos da área realizaram ato nesta sexta-feira (1º) em Brasília em homenagem aos mortos causados pela COVID-19 e defesa das medidas de isolamento social.

    O protesto foi realizado de forma silenciosa, na Praça dos Três Poderes, com os profissionais vestidos de jalecos e usando máscaras. Alguns seguravam cruzes simbolizando as vítimas da doença provocada pelo novo coronavírus. 

    "Estamos deixando de ser força de trabalho para virarmos pacientes do sistema de saúde. A gente precisa de mais do que palmas, precisamos de valorização, de respeito e isso passa pela manutenção do isolamento social", disse a enfermeira Marcela Vilarim, segundo o portal G1. 

    Em determinado momento, algumas pessoas vestidas de amarelo apareceram no local. Em vídeo publicado no canal do YouTube Brasíliaovivo, é possível ver três delas, mas apenas um homem e uma mulher, enrolada com uma bandeira do Brasil nas costas e segurando outra nas mãos, abordam os enfermeiros. 

    O homem grita com os presentes no ato. "Vocês consomem o nosso fruto do suor que construímos essa nação. Vocês vão ser varridos, esquerdopatas, esquerdopatas!", exclama ele com dedo em riste. 

    A mulher se dirige para uma pessoa que estava gravando e afirma. "Não somos comunistas, nós temos coragem de lutar. No dia em que os empresários pararem, sabe o que acontece? Você não recebe mais seu salariozinho", gritou. 

    Depois, o homem ameaça uma profissional que carregava uma cruz, que supostamente teria feito um gesto obsceno para ele. O manifestante de amarelo a chama de "medíocre", diz que "tem berço" e ameaça "quebrar e enfiar" seu dedo na "goela". 

    O homem chega a partir para cima da profissional e há um princípio de confusão. Segundo o portal G1, policiais militares foram ao local para controlar a situação. 

    Nos últimos finais de semana, em diversas cidades do país, têm ocorrido manifestações de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro contra as medidas de isolamento social. 

    Segundo o Conselho Federal de Enfermagem, 4.602 profissionais da área foram afastados de suas funções por suspeitas de terem sido infectados pelo coronavírus. 

    Tema:
    Brasil no combate ao coronavírus no início de maio (66)

    Mais:

    Estas doenças são as mais perigosas para pacientes com COVID-19
    Após escalada de mortes no Brasil, Bolsonaro diz querer população de volta ao trabalho
    Prefeito de Manaus culpa Bolsonaro por baixo isolamento social e defende lockdown 'se nada mudar'
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Brasil, quarentena, SUS, saúde, manifestação, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar