13:58 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    93410
    Nos siga no

    As provas de que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal (PF) serão apresentadas às autoridades no momento oportuno, afirmou o ex-ministro da Justiça Sergio Moro em uma entrevista concedida à revista Veja.

    A interferência do presidente na corporação foi o estopim do pedido de demissão de Moro da pasta, há uma semana, após um ano e quatro meses no cargo. Anteriormente, ele teve uma carreira de 22 anos na magistratura, a qual abdicou para lutar contra a corrupção.

    À revista, Moro afirmou que tinha a promessa de Bolsonaro de que o combate à corrupção seria prioridade. Porém, não foi o caso na prática.

    "Sinais de que o combate à corrupção não é prioridade do governo foram surgindo no decorrer da gestão. Começou com a transferência do Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras] para o Ministério da Economia. O governo não se movimentou para impedir a mudança. Depois, veio o projeto anticrime", declarou o ex-ministro.

    Em outro trecho da entrevista, Moro lamentou a falta de esforços do presidente em prol do pacote anticrime, e lembrou que não aprovava a aproximação de Bolsonaro com políticos com um histórico de envolvimento com casos de corrupção.

    "Recordo que praticamente implorei ao presidente que vetasse a figura do juiz de garantias, mas não fui atendido. É bom ressaltar que o Executivo nunca negociou cargos em troca de apoio, porém mais recentemente observei uma aproximação do governo com alguns políticos com histórico não tão positivo", prosseguiu ele.

     O presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia em Brasília

    Questionado pela troca de mensagens com a deputada federal Carla Zambelli, que vazou para o Jornal Nacional, da Rede Globo, Moro defendeu-se que não podia admitir ser chamado de mentiroso pelo presidente. Nas mensagens, a parlamentar tenta convencê-lo a aceitar a troca na direção da PF, sugerindo inclusive uma oferta de uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF).

    "Eu apresentei aquelas mensagens. Apresentei única e exclusivamente porque no pronunciamento do presidente ele afirmou falsamente que eu estava mentindo. Não posso admitir que ele me chame de mentiroso publicamente. Ele sabe quem está falando a verdade", pontuou Moro.

    O ex-ministro da Justiça deverá ser ouvido em um prazo máximo de cinco dias pela PF, conforme determinado pelo ministro do STF Celso de Mello, relator de um inquérito aberto para apurar as denúncias de Moro contra Bolsonaro. Ele afirmou que apresentará mais provas a fim de defender a verdade, sem a intenção de prejudicar o presidente.

    "É importante deixar muito claro: nunca foi minha intenção ser algoz do presidente ou prejudicar o governo. Na verdade, lamentei extremamente o fato de ter de adotar essa posição. O que eu fiz e entendi que era minha obrigação foi sair do governo e explicar por que estava saindo. Essa é a verdade", sentenciou.

    Mais:

    Moro nega ter pedido assento no STF em troca da permanência de Valeixo
    Dólar bate recorde no dia de demissão de Sergio Moro
    Lula diz que Bolsonaro é 'filho de Moro' e ataca: 'os dois são bandidos'
    Tags:
    política, Procuradoria-Geral da República (PGR), Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, interferência, Polícia Federal, Jair Bolsonaro, Sergio Moro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar