00:06 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo coronavírus no fim de abril (64)
    12113
    Nos siga no

    O Brasil registrou uma alta de 8% no número de assassinatos nos dois primeiros meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado.

    Segundo informações do índice nacional de homicídios divulgadas nesta quarta-feira (29) pelo portal G1, houve 7.743 mortes violentas no primeiro bimestre de 2020. No mesmo período do ano passado, foram 7.195.

    O aumento do índice deste ano vai na contramão da queda de 19% no número de assassinatos registrados em todo o ano de 2019.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Paulo Storani, ex-instrutor do BOPE (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro), atribui o aumento no primeiro bimestre de 2020 a um "cansaço das forças policiais".

    Segundo Storani, a segurança pública é tratada no Brasil através de "medidas essencialmente voltadas para ações de polícia".

    "Necessariamente você precisa de uma força policial atenta que planeja suas ações, que monitore os indicadores de violência locais porque os fatores que geram o crime continuam existindo, você acaba atuando nas consequências. E ações de polícia é que são responsáveis por isso", argumentou.

    Levando isso em conta, Storani argumenta que a exigência de respostas apenas policiais para o combate ao crime acaba gerando um desgaste nas forças de segurança.

    "Eu considero que nesse momento nós estamos falando de um cansaço da força policial. Aqui no Rio de Janeiro, por exemplo, é uma tropa que foi muito solicitada em 2019, ainda está sendo solicitada, e eu acredito que esse conjunto de fatores possa ter levado a esse aumento de 8%", afirmou.

    Paulo Storani acredita que os indicadores tendem a aumentar durante o período de quarentena já que as forças policiais estão evitando realizar operações durante as medidas de isolamento.

    "Por conta da quarentena alguns indicadores vão aumentar porque as forças policiais diminuíram as suas operações", acredita.

    Nesta quarta-feira (29), André Mendonça tomou posse como novo ministro da Justiça e Segurança Pública no lugar de Sergio Moro, que pediu demissão na semana passada.

    Paulo Storani espera que Mendonça siga a linha de atuação de Moro, que apresentou resultados positivos em 2019, no combate ao crime organizado.

    "Quero crer que o novo ministro da Justiça acompanhe esse caminho e raciocínio [de Moro], mas gostaria de ver também ações na área de prevenção, embora você tenha os estados com essa capacidade, o governo federal tem um grande protagonismo na indução de políticas públicas dessa natureza", completou.

    Tema:
    Brasil combatendo coronavírus no fim de abril (64)

    Mais:

    Discurso pró-Bolsonaro: como populismo digital virou o cotidiano mesmo após campanha eleitoral?
    Com 5 mortes por dia, polícia do Rio bate recorde de homicídios em 2019
    Especialista: real desvalorizado atrai turistas estrangeiros, mas violência ainda causa medo
    Recorde de lideranças indígenas assassinadas mostra 'liberalização da violência', diz líder da CPT
    Em 3 dias, Mato Grosso do Sul registra 2 episódios de violência com indígenas
    Violência policial contra brasileiras em Lisboa gera repercussão no parlamento português
    Com Estado 'ausente', favelas se organizam contra COVID-19, violência e desinformação
    Tags:
    crime organizado, crime, quarentena, Brasil, violência
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar