20:25 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo coronavírus no fim de abril (64)
    7114
    Nos siga no

    O governo brasileiro está usando o surto da COVID-19 como uma distração para aprovar leis que oferecem anistia em terras invadidas e desmatadas e reduzir a proteção oferecida aos povos indígenas, declararam ativistas climáticos nesta quarta-feira (29).

    De acordo com o projeto de denúncia da ONG Greenpeace, o Unearthed, os legisladores brasileiros devem votar novas medidas propostas pelo governo de Jair Bolsonaro que oferecerão uma anistia ao desmatamento anterior e a atual ocupação de terras florestais que foram invadidas antes de 2018.

    Além disso, existem planos para remover determinadas áreas de sua designação no registro de terras como indígenas. O projeto de denúncia da ONG declarou que isso poderia levar a novas apreensões de terras habitadas por povos indígenas.

    Os últimos desenvolvimentos ocorrem no contexto do aumento do desmatamento no Brasil. O projeto citou a agência de pesquisa espacial do país, o INPE, que afirmou que o desmatamento em março aumentou 30% em relação ao ano anterior.

    A organização não governamental Imazon estima que as novas leis possam levar à destruição adicional de mais de 10 mil quilômetros quadrados das florestas do Brasil até 2027, declarou o Unearthed.

    Bolsonaro foi criticado por ativistas e defensores ambientais por ignorar a questão de proteger o meio ambiente do país, especialmente a Floresta Amazônica.

    Tema:
    Brasil combatendo coronavírus no fim de abril (64)

    Mais:

    Consórcio de governadores se reúne em Belém: mais Amazônia, menos Brasília?
    FAB moderniza radares de controle aéreo na Amazônia
    Amazonas registra 1º caso de coronavírus entre indígenas no país
    Tags:
    Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), povos indígenas, indígenas, meio ambiente, Greenpeace, Jair Bolsonaro, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA), Fundação Nacional do Índio (FUNAI), Índios, desmatamento, novo coronavírus, COVID-19, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar