22:31 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo coronavírus no fim de abril (64)
    324
    Nos siga no

    Mais da metade dos brasileiros ainda acredita que o isolamento social amplo é a melhor forma de evitar uma disseminação maior do novo coronavírus, indica uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta quarta-feira (29).

    De acordo com o levantamento, pela primeira vez, é possível observar um empate técnico entre os que defendem o isolamento para todos e os que acreditam que as medidas restritivas devem ser mantidas apenas para os chamados grupos de risco. Atualmente, são 52% contra 46%, respectivamente, com margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. 

    ​Segundo o Datafolha, o apoio ao isolamento amplo é maior entre os jovens (61%), os moradores da região Nordeste (64%) e os que reprovam o desempenho do presidente no combate ao surto da COVID-19. Já o apoio ao isolamento restrito é mais alto entre os mais ricos (58%) e os que aprovam a maneira como Bolsonaro vem lidando com a crise do coronavírus (68%). 

    "A maioria (67%) avalia que no momento o mais importante é que as pessoas fiquem em casa a fim de evitar a propagação do coronavírus, mesmo que isso prejudique a economia e cause desemprego (era 76%, no início do mês, e 68%, no dia 17 de abril). Já um quarto (25%) avalia que no momento o mais importante é acabar com o isolamento das pessoas a fim de estimular a economia e impedir o desemprego, mesmo que isso contribua para a disseminação do coronavírus (era 18%, no início do mês, e 22%, há 10 dias). Uma parcela de 8% não opinou (era 6%, no início do mês e 10%, há 10 dias)", explica o Instituto Datafolha.

    O fim do isolamento social, ou a sua flexibilização, tem sido motivo de grandes tensões no Brasil ao longo dos últimos meses, com o presidente Jair Bolsonaro minimizando os impactos sanitários da pandemia e defendendo medidas polêmicas para evitar consequências mais graves para a economia, a despeito das recomendações oficiais das principais autoridades mundiais da saúde. 

    ​Em meio a isso, na última terça-feira (28), o país alcançou a marca de 5.017 óbitos provocados pela COVID-19, superando a China, onde o novo coronavírus foi registrado pela primeira vez e primeiro epicentro do surto. Ao ser indagado sobre esse fato, Bolsonaro voltou a gerar mal-estar ao responder desta forma:

    "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse ele, provocando indignação generalizada na imprensa e entre outros políticos e autoridades, que o acusaram de desrespeitar a dor de milhares de brasileiros e não se comportar de acordo com as exigências do cargo que exerce. 

    Tema:
    Brasil combatendo coronavírus no fim de abril (64)

    Mais:

    Datafolha: isolamento contra vírus conta com apoio de 76% do brasileiros
    Demissão de Mandetta é reprovada por 64% dos brasileiros, diz Datafolha
    Impeachment de Bolsonaro mostra empate técnico, e apoio à renúncia sobe, diz Datafolha
    Tags:
    isolamento, vírus, surto, pandemia, Brasil, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar