04:08 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    242
    Nos siga no

    O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), aceitou nesta segunda-feira (27) o pedido de abertura de inquérito para apurar as acusações do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, contra o presidente da República, Jair Bolsonaro.

    O decano do Supremo ainda fixou um prazo de 60 dias para que a Polícia Federal (PF) tome o depoimento de Moro, conforme pedido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na solicitação da qual Mello é o relator.

    "O presidente da República - que também é súdito das leis, como qualquer outro cidadão deste País - não se exonera da responsabilidade penal emergente dos atos que tenha praticado, pois ninguém, nem mesmo o Chefe do Poder Executivo da União, está acima da autoridade da Constituição e das leis da República", escreveu o ministro da Corte ao longo de 17 páginas.

    "Embora irrecusável a posição de grande eminência do Presidente da República no contexto político-institucional emergente de nossa Carta Política, impõe-se reconhecer, até mesmo como decorrência necessária do princípio republicano, a possibilidade de responsabilizá-lo, penal e politicamente, pelos atos ilícitos que eventualmente tenha praticado no desempenho de suas magnas funções", acrescentou o decano.

    O Ministro Dias Toffoli, durante sessão no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília (DF).
    © Folhapress / Renato Costa
    O Ministro Dias Toffoli, durante sessão no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília (DF).

    O ministro também ressaltou que, em uma República, não há espaços para "privilégios", tampouco "discriminações", e assim estabelece-se a proibição de tratamentos "seletivos em favor de determinadas pessoas". De acordo com ele, "a ideia de República traduz um valor essencial [...] o do primado da igualdade de todos perante as leis do Estado".

    "Ninguém, absolutamente ninguém, tem legitimidade para transgredir e vilipendiar as leis e a Constituição de nosso País. Ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade do ordenamento jurídico do Estado", continuou Mello em sua decisão.

    O inquérito aberto nesta segunda-feira (27) vai investigar os eventuais crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra. A apuração deve definir se há ilícitos cometidos tanto por Bolsonaro quanto por Moro.

    Há a expectativa de que o ex-ministro apresente mais provas a respeito as acusações feitas contra o presidente, em sua coletiva de imprensa, na última sexta-feira. No mesmo dia, em outra entrevista, Bolsonaro negou todas as acusações.

    Mais:

    Para Gleisi, Bolsonaro já cometeu 'ilegalidades de sobra' e deve ser afastado do cargo
    'Homem que decide a economia no Brasil é um só: Paulo Guedes', diz Bolsonaro
    Impeachment de Bolsonaro mostra empate técnico, e apoio à renúncia sobe, diz Datafolha
    Tags:
    Procuradoria-Geral da República (PGR), Augusto Aras, corrupção, falsidade, política, Supremo Tribunal Federal, Polícia Federal, inquérito, crime, Celso de Mello, Sergio Moro, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar